Biomas Brasileiros


Clique e veja em flash os biomas do Brasil

O territ√≥rio nacional re√ļne 12% de todos os animais e vegetais conhecidos no planeta. Uma a cada 11 esp√©cies de mam√≠fero existentes no mundo vive aqui. Nossos rios abrigam mais de um ter√ßo dos peixes de √°gua doce catalogados e nossas matas, 50 mil esp√©cies de plantas supe¬≠riores. O pa√≠s apresenta, ainda, a maior diversidade global de primatas, anf√≠bios e insetos e a terceira maior de aves.

História da devastação

A mesma beleza tropical que encan¬≠tou os europeus que aqui chegaram no s√©culo XVI ati√ßou a cobi√ßa que, desde ent√£o, n√£o parou de destruir os biomas brasileiros. O primeiro e mais dram√°tico foco de impactos foi a mata Atl√Ęntica, um dos cinco mais importantes hotspots do planeta – regi√£o de grande biodiversidade que se encontra sob s√©ria amea√ßa.

Tudo come√ßou com a extra√ß√£o predat√≥ria de pau-brasil para a fabrica√ß√£o de tintura de tecidos e a constru√ß√£o civil. Em seguida, vieram as planta√ß√Ķes de cana-de-a√ß√ļcar e, mais tarde, as de caf√©, que dizimaram a vegeta√ß√£o nativa e exauriram solos f√©rteis dos estados do Rio de Janeiro, de S√£o Paulo e, d√©cadas depois, do norte do Paran√°, do sul de Minas Gerais e do Esp√≠rito Santo. A mata Atl√Ęntica tamb√©m sofreu os ataques da minera√ß√£o durante o ciclo do ouro: matas foram destru√≠das e rios, assoreados. Mas foi o desenvolvimento da ind√ļstria, a partir da segunda metade do s√©culo XX, que dese¬≠nhou o cen√°rio socioecon√īmico de maior impacto. O surgimento de grandes polos industriais atraiu para as cidades grande n√ļmero de trabalhadores rurais, que aban¬≠donavam o campo em busca de renda mais alta e vida mais confort√°vel.

Em 500 anos de hist√≥ria, o Brasil j√° desmatou 2,5 milh√Ķes quil√īmetros quadrados de sua vegeta√ß√£o nativa, sendo que a maior parte nos √ļltimos 50 anos. Isso significa 30% de suas florestas.

O trabalho intitulado Mapa da Cobertura Vegetal dos Biomas Brasileiros, coordenado pelo Minist√©rio do Meio Ambiente (MMA)¬†revela que a Mata Atl√Ęntica foi o bioma ‚ÄĒ regi√£o com fauna e flora t√≠picas ‚ÄĒ que mais sofreu, perdendo 751 mil quil√īmetros quadrados. A Amaz√īnia, bioma de maior extens√£o do pa√≠s, foi o segundo mais afetado, perdendo 527 mil quil√īmetros quadrados de florestas. J√° o Pantanal, que ocupa a menor √°rea entre os seis principais biomas (os outros s√£o Cerrado, Pampas e Caatinga), √© o mais preservado, com 17 mil quil√īmetros quadrados de mata perdidos.

Mata Atl√Ęntica e zona costeira

Originalmente, a mata atl√Ęntica cobria uma √°rea desde o litoral do Rio Grande do Norte at√© o Rio Grande do Sul, com largura m√©dia de 200km, ultrapassando em alguns trechos 500km perfazendo uma √°rea de 1,3 milh√£o de km¬≤ (15/5 do territ√≥rio brasileiro). Caracteriza-se por ser uma floresta latifoliada (folhas largas) tropical, √ļmida (ombr√≥fila densa).

Na faixa litor√Ęnea, a ocupa√ß√£o desorde¬≠nada das regi√Ķes metropolitanas avan√ßou sobre florestas, restingas e manguezais, resultando em aglomera√ß√Ķes de milh√Ķes de lares sem a infraestrutura de sanea¬≠mento b√°sico. O despejo de esgoto do¬≠m√©stico agravou a polui√ß√£o dos c√≥rregos e comprometeu os mananciais. Atual¬≠mente, a maior metr√≥pole do pa√≠s, S√£o Paulo, sofre constante amea√ßa de falta de abastecimento de √°gua porque os rios – ap√≥s tantos impactos – j√° n√£o d√£o conta de fornec√™-la. Como S√£o Paulo, outras grandes capitais – Rio de Janeiro, Curi¬≠tiba e Belo Horizonte – s√£o abastecidas pela √°gua que brota da mata Atl√Ęntica e corre pelas bacias dos rios Paran√°, Tiet√™, Doce, Para√≠ba do Sul, Paranapanema e S√£o Francisco. Na verdade, essas bacias s√£o respons√°veis pelo abastecimento de 120 milh√Ķes de brasileiros, que vivem na regi√£o mais densamente povoada do pa√≠s. Al√©m de equilibrar o fluxo dos mananciais, a floresta cont√©m encostas, regula o clima e garante a fertilidade do solo.

Hoje, as cidades instaladas na regi√£o da mata Atl√Ęntica concentram 70% da popu¬≠la√ß√£o brasileira e 80% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Em consequ√™ncia, a vegeta√ß√£o nativa – originalmente duas vezes o tamanho da Fran√ßa e mais de tr√™s vezes o territ√≥rio da Alemanha – encolhe para cerca de 7,9%. O que sobrou est√°, em sua maior parte, confinado em trechos descont√≠nuos de mata. Campanhas pela conserva√ß√£o, projetos de reflorestamento e a entrada em vigor da Lei da Mata Atl√Ęntica, sancionada em 2006 e regula¬≠mentada em 2008, reduziram o ritmo da devasta√ß√£o. O desafio agora √© unir esses peda√ßos de mata pelos corredores de bio¬≠diversidade, que devem garantir o tr√Ęnsito dos animais ao longo do litoral e, assim, o fluxo dos genes que eles carregam.

Fonte: individualidadecoletiva.zip.net/

Na zona costeira, a sequ√™ncia de praias, restingas, dunas e manguezais que se estendem por 8 mil quil√īmetros esconde problemas como a polui√ß√£o por esgoto e a explora√ß√£o predat√≥ria dos recursos naturais. A especula√ß√£o imobi¬≠li√°ria, alimentada pelo crescimento das cidades, alterou as fei√ß√Ķes de ecossistemas fr√°geis. O perigo de vazamentos de petr√≥leo e os efeitos do turismo desorde¬≠nado podem atingir os bancos de corais, interferindo na pesca, que sustenta as comunidades cai√ßaras. A captura al√©m dos limites de reposi√ß√£o dos estoques naturais j√° transformou em raridade muitas esp√©cies antes comuns.

Amaz√īnia

Um gigantesco dom√≠nio de terras baixas florestadas que ocupa cerca de 5,5 milh√Ķes de km¬≤, 60% em territ√≥rio brasileiro (3,3 milh√Ķes de km¬≤) e 40% entre o Peru, Equador, Bol√≠via, Col√īmbia, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname. Apresenta estratos arb√≥reo (com √°rvores que variam de 5 a 60 metros), arbustivo e herb√°ceo, dividindo-se em tr√™s degraus de mata: igap√≥ (permanentemente alagada), v√°rzea (periodicamente alagada) e terra firme (n√£o se alaga – perfaz cerca de 90% da floresta).

¬†Degraus da Amaz√īnia.

Sobre sua cobertura vegetal: latifoliada (de folhas largas) tropical ou equatorial, floresta ombrófila (elevada umidade Р1600 a 3600 mm por ano) e umbrófila (muita sombra). Grande biodiversidade, onde numa área correspondente a 1 hectare existem de 100 a 300 diferentes espécies de plantas. Essa heterogeneidade vegetal supera de longe a diversidade das florestas temperadas, como a da França, por exemplo, que, segundo estimativas, possui cerca de 50 espécies.

Quanto √† devasta√ß√£o, esta ocorre tamb√©m longe das zonas urbanizadas. A Amaz√īnia, que apresenta a mais baixa densidade demogr√°fica do pa√≠s, sofre com o des¬≠matamento e a polui√ß√£o dos mananciais. Foco de aten√ß√£o mundial por sua im¬≠port√Ęncia para o clima global, a floresta Amaz√īnica guarda quase metade das esp√©cies animais e vegetais e a maior bacia hidrogr√°fica do planeta. Nesse caso, a amea√ßa vem da minera√ß√£o, da extra√ß√£o ilegal de madeira e do avan√ßo de pastagens e planta√ß√Ķes, que j√° afeta¬≠ram quase 20% do ambiente.

Note na figura o movimento do desmatamento amaz√īnico de 2000 a 2005.

Em 2012, o governo comemorou porque ap√≥s tr√™s anos de queda, o desmatamento na Amaz√īnia no per√≠odo 2007-2008 cres¬≠ceu menos do que se esperava: 3,6%, bem inferior √† previs√£o inicial, de 30%. Ainda assim, o desmatamento √© imenso. Em dezembro de 2008, o go¬≠verno federal lan√ßou o Plano Nacional sobre Mudan√ßa do Clima, que estimula metas para redu√ß√£o gradual do desmate.¬†

A taxa de desmatamento da Amaz√īnia Legal em 2011 foi a menor desde 1988, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCTI) come√ßou a fazer a medi√ß√£o. De acordo com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, 81,2% da floresta original encontram-se conservadas. Desde 2004, quando foi lan√ßado o Plano de A√ß√£o para a Preven√ß√£o e Controle do Desmatamento na Amaz√īnia Legal (PPCDAm), a redu√ß√£o √© de 76,9% (fonte: Bagarai Ecologia).

Os ambientalistas dizem que a retra¬≠√ß√£o no ritmo do desmatamento tem me¬≠nos a ver com boas inten√ß√Ķes ambientais e mais com fortes motivos econ√īmicos. Eles temem que grandes obras, como usinas hidrel√©tricas e pavimenta√ß√£o de estradas, projetadas para levar desenvol¬≠vimento a mais de 20 milh√Ķes de habi¬≠tantes da regi√£o amaz√īnica, promovam ondas de imigra√ß√£o e acelerem a agress√£o ao ambiente. E advertem que √© preciso tomar medidas duradouras, e n√£o palia¬≠tivas, para proteger parques e reservas, fiscalizar e viabilizar alternativas econ√īmicas capazes de deixar a floresta de p√©. A pecu√°ria √© a maior respons√°vel pelo desmatamento da Amaz√īnia. A soja vem logo atr√°s – e a principal frente desse avan√ßo se encontra na zona de transi√ß√£o com o cerrado.

Cerrado

O cerrado merece aten√ß√£o especial. Inclu√≠do na lista dos 34 hotspots – os ref√ļgios mais ricos e tamb√©m mais amea¬≠√ßados do planeta -, esse bioma √© a regi√£o brasileira depois da mata Atl√Ęntica que mais sofreu altera√ß√Ķes com a ocupa√ß√£o humana. Inicialmente, a maior agress√£o veio dos garimpos, pela polui√ß√£o devido ao uso de merc√ļrio e pela eros√£o do solo. Mais tarde, a terra passou a ser castigada pela monocultura intensiva de gr√£os (principalmente a soja), que ocu¬≠pa 6% do bioma, e pela pecu√°ria, praticada em 60% da √°rea, muitas vezes de maneira extensiva e com baixa tecnologia. O uso indiscriminado de defensivos agr√≠colas aumentou a degrada√ß√£o (veja mapa que segue).

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,veja-os-mapas-e-graficos-da-devastacao-no-cerrado,441529,0.htm

Al√©m disso, as pastagens e as planta√ß√Ķes fragmentam a paisagem natural em ilhas de vegeta√ß√£o muitas vezes pequenas demais para a sobreviv√™ncia das esp√©cies animais. Menos de 2% do cerrado encontra-se em √°rea protegida. E entre as novas amea√ßas est√£o as planta√ß√Ķes de cana-de-a√ß√ļcar para produ√ß√£o de biocombust√≠vel, que avan√ßam sobre os menos de 40% da regi√£o que ainda man¬≠t√©m a cobertura original. Se as taxas de desmatamento continuarem no atual ritmo, o cerrado poder√° desaparecer em 2030. Localizado na por√ß√£o central do pa√≠s, ele tem grande import√Ęncia eco¬≠l√≥gica porque √© zona de transi√ß√£o entre diferentes biomas e apresenta regi√Ķes com vegeta√ß√£o e fauna √ļnicas.

Caatinga

A caatinga √© o √ļnico bioma end√™mico do Brasil, isto √©, exclusi¬≠vamente nacional. Devido ao solo √°rido e √† vegeta√ß√£o ressequida, num dos cli¬≠mas mais causticantes do planeta, ela foi, por s√©culos, vista como uma regi√£o naturalmente pobre e in√≥spita. Hoje √© reconhecida como reserva de alta bio¬≠diversidade, tamb√©m em risco.

Conforme a Folha online, a principal causa de desmatamento na regi√£o √© a produ√ß√£o de energia. Abatida, a mata nativa √© transformada em lenha e carv√£o destinados a abastecer sider√ļrgicas nos Estados de Minas Gerais e do Esp√≠rito Santo ou a mover ind√ļstrias de gesso e cer√Ęmica instaladas no pr√≥prio semi√°rido. http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u701579.shtml

Fonte: Correio Brasilliense, 5 mai, 2010. Colaboração do prof. Heliton Leal. Clique na imagem para uma melhor visualização

A criação e a ampliação de unidades de conservação é outro ponto indicado como fator importante para a proteção do bioma. A caatinga tem apenas 7% de áreas protegidas, sendo que 2% são de proteção integral e os outros 5% são de unidades de conservação de uso sustentável.

As grandes amea√ßas v√™m do corte de madeira para carv√£o e lenha, que deixou desertos 40 mil quil√īmetros quadrados nos √ļltimos 15 anos do s√©culo XX. A saliniza√ß√£o do solo, causada por projetos inadequados de irriga√ß√£o agr√≠cola em so¬≠los rasos e pedregosos, completa o quadro dos perigos. Estima-se que cerca de 50% da √°rea do bioma tenha sofrido algum tipo de deteriora√ß√£o e 20% dela esteja completamente degradada.

A desertifica√ß√£o, certamente, √© uma das maiores preocupa√ß√Ķes dos poucos especialistas que estudam a caatinga. A devasta√ß√£o da vegeta√ß√£o para abastecer o p√≥lo gesseiro causa o empobrecimento do solo, acarretando o problema. Al√©m de transformar a regi√£o num deserto, o desmatamento traz como consequ√™ncia a perda de uma biodiversidade que mal √© conhecida.

No planeta, n√£o existe nenhum outro bioma com caracter√≠sticas semelhantes √†s da caatinga. A Amaz√īnia abrange √°reas de pa√≠ses limitrofes ao Brasil e tem similaridade com outros biomas situados em regi√Ķes tropicais. O cerrado tem caracter√≠sticas das savanas africanas. O Pantanal se extende por √°reas do Paraguai e da Bol√≠via, onde recebe o nome de Chaco. A caatinga, n√£o. √Č uma esp√©cie end√™mica, pois existe apenas no Nordeste brasileiro. Por isso, ela √© √ļnica no mundo com tais caracter√≠sticas.

Pantanal

A situa√ß√£o √© complicada tamb√©m no Pantanal, a maior plan√≠cie inund√°vel do planeta e um dos ambientes silvestres mais ricos em esp√©cies, principalmente aves e r√©pteis. O assoreamento causado por pr√°ti¬≠cas agr√≠colas inadequadas e pela ocupa√ß√£o das nascentes entope de barro os rios que descem dos chapad√Ķes e causa impactos na plan√≠cie pantaneira Como resultado, a pesca se reduz e o ciclo das √°guas que rege o ecossistema da regi√£o √© alterado.

Mapa da situação geográfica do Pantanal. Fonte: Wikimedia Commons.

O problema é agravado pelo turismo desorganizado e pela navegação nos rios Paraguai e Paraná, que colocam em risco as frágeis matas ciliares, provocando mais ero­são. Nesse bioma, a agropecuária também produz estragos, com o despejo de pestici­das, queimadas para pastagem e introdução de espécies exóticas de capim.

O Pantanal, bioma localizado nos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, registrou desmatamento de 2,82% de sua área de 151.313 km² em sete anos, informou o Ministério do Meio Ambiente em junho de 2010. Entre 2002 e 2008, a perda no Pantanal foi de 4.279 km², a uma taxa anual de desmatamento de 713 km², que representa 0,47%, segundo os Dados do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter/Inpe) apresentados pelo ministério no primeiro levantamento recente do bioma (fonte: Portal Terra).

Pampas

Nos campos sulinos, ou pampas, a vegeta√ß√£o aberta e de pequeno porte, o clima ameno e as terras f√©rteis favoreceram a expans√£o de arroz, milho, trigo e soja. Devido √† fertilidade do solo, as arauc√°¬≠rias, que constitu√≠am a vegeta√ß√£o original, foram substitu√≠das por planta√ß√Ķes que se espalharam sem crit√©rio para prote√ß√£o do solo e retirada da √°gua dos rios para irriga√ß√£o. Resultado: n√£o √© apenas o campo que sofre com a desertifica√ß√£o e a eros√£o. As cidades tamb√©m vivem problemas de desabastecimento de √°gua.

Divis√£o entre o bioma Mata Atl√Ęntica e Pampa. Fonte: http://lh6.ggpht.com/_c1A_kKXYbjE/Sp-8siQUsxI/AAAAAAAAAmc/zqV0iU1VTTc/s1600-h/6%5B6%5D.jpg

O bioma intitulado Mata de Arauc√°ria faz parte da Mata Atl√Ęntica. As arauc√°rias s√£o conhecidas como pinheiro brasileiro – uma esp√©cie end√™mica predominante no Estado de Santa Catarina (veja figura que segue). A madeira da arauc√°ria por ser mold√°vel com facilidade √© muito usada na fabrica√ß√£o de m√≥veis. Devido ao desmatamento restam menos de 1% da cobertura original da mata.

 Ocorrência original da Mata de Araucária РFonte: http://amapadopassauna.blogspot.com/2010/05/matas-com-araucarias.html

Novo Código Florestal РJulho de 2010

O projeto de mudan√ßa no C√≥digo Florestal, proposto pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP),¬†aprovado¬†em 6 de julho de 2010 ¬†na Comiss√£o Especial da C√Ęmara, informa que as pequenas propriedades, que na Amaz√īnia podem chegar at√© cem hectares, s√≥ n√£o podem acabar com o que sobrou da mata. Mas o que foi destru√≠do n√£o precisa ser replantado. Elas est√£o dispensadas da reserva legal, o percentual de vegeta√ß√£o nativa, que vai continuar sendo exigido para grandes e m√©dias propriedades rurais: 80% na Amaz√īnia, 35% no Cerrado e¬†20% no campo.¬†O projeto suspende por cinco anos as autoriza√ß√Ķes para novos desmatamentos. Mas perdoa as multas para quem desmatou at√© julho de 2008, dando prazo de 20 anos para a recupera√ß√£o das √°reas (leia reportagem completa do JN clicando aqui¬†e principais pontos do novo c√≥digo aqui).

Carta Capital registra que no dia da votação do Código (11 de maio de 2011) oposição entre ruralistas e ambientalistas aqui.

Aqui importante artigo do breve hist√≥rico sobre o c√≥digo florestal escrito por¬†Ciro Siqueira –¬†engenheiro agr√īnomo ¬†e administrador de blog¬†¬†sobre o assunto –¬†http://www.codigoflorestal.com/

Fonte: Revista Isto é, 11 de maio de 2011, p. 43.

Fonte sobre o desmatamento: texto adaptado do Guia do estudante, 2009 e jornal Correio Brasiliense de 5 de maio de 2010.

As atividades agr√≠colas no Brasil ocupam aproximadamente 236 milh√Ķes de hectares ou cerca de 27.7% da √°rea terrestre total do Brasil. Outro 61% do Brasil ainda √© floresta nativa em uma das seis biomas diferentes, incluindo a Floresta Amaz√īnica. O setor agr√≠cola representa 20.2% PIB do Brasil, e emprega 37% da for√ßa de trabalho e √© respons√°vel pela 37% das exporta√ß√Ķes do pa√≠s (fonte: Commodities ¬†Street Journal).

53 thoughts on “Biomas¬†Brasileiros

  1. Oi amigo! Como sempre, seu trabalho ficou primoroso! Muito bom esse material sobre desmatamento. Um √≥timo “dever de casa” para nossos alunos. Parab√©ns!

  2. Ou como diria meu amigo, uma ótima dor de cabeça também :).
    Mas ficou muito bom Bau, espero que n√£o caia muita coisa que esteja aqui haha.
    Parab√©ns pelo blog, muito organizado e uma forma diferente de se passar informa√ß√Ķes importantes.

  3. √ďTIMO esse site. Amei! Explicou muito bem a situa√ß√£o do nosso Brasil, s√≥ falta agora todos ajudarmos para melhorar n√©. Obrigada pelas informa√ß√Ķes, voc√™ est√° de parab√©ns!

  4. Credo Bau, Pra que livro!?
    Ficou muito bom, muito enxuto e apesar de n√£o substituir nosso livro did√°tico acho que ajuda bastante, especialmente quando o tempo do terceiro ano √© t√£o curto…
    Obrigado!

    • Eu √© que agrade√ßo a visita Rafael! A ideia do Blog √© essa. Complementar o livro com algumas coisas – inclusive mais atuais – ditas em sala que o livro did√°tico n√£o consegue acompanhar.
      Volte sempre!

  5. Professor, você poderia fazer um resumo como este dos biomas para a geopolítica, porque você soube explicar bem melhor que o autor do livro.
    Abraço

  6. Você poderia indicar-me alguns livros que falem sobre os ecossistemas brasileiros, i.é., que descreva sobre cada ecossistemas / biomas brasileiros :
    Sobre o Clima; O Solo e A Vegetação ?

    obrigado.

    • Em√≠lio,
      Dentro da Geografia voc√™ vai encontrar te√≥ricos como: Ant√īnio Carlos Vitte, Ant√īnio Jos√© Teixeira Guerra, Jurandir Luciano Sanches Ross e Aziz Nacif Ab’Saber

      Boas obras que me vieram à cabeça:
      Geografia Física no Brasil. A. Carlos Vitte e A. José T. Guerra
      Os dom√≠nios de natureza no Brasil. Aziz Ab’Saber
      Geografia do Brasil. Jurandir Ross

      Se precisar posso pesquisar mais para você. Esses autores que citei são referência em geografia física do Brasil e já organizaram/escreveram muitos livros.
      Eu é que agradeço a visita.

  7. Professor, fico muito grato em agradecê-lo por esse site fantástico que me conduz a ótimas metas de estudo, contendo informação resumida do livro e com conteudos atualizados perante nossa geografia, agradeço muito
    Caique terceiro B

  8. Fico muito agradecido pelo site professor. √Č uma excelente fonte de informa√ß√Ķes que facilita muito nossos estudos ao resumir todo o conhecimento que voc√™ nos trasmite atraves da sua aula. Gra√ßas a voc√™ estamos sempre cientes dos fatos mais atuais da nossa amada geografia.
    Pedro de Faria 3¬ļB

  9. Cara gostaria muit√≠ssimo de saber as fontes de cada par√°grafo.. seria interessante, sou estudante de Eng. Agron√īmica da UFS. Da√≠ gostaria de saber mais para aplicar em uns resumos..

    Site show.

    • Ighor,
      Obrigado pelas palavras! As fontes das figuras est√£o referenciadas abaixo de cada uma delas e o texto foi adaptado do guia do estudante (tamb√©m referenciado ao final dele). Boa parte das informa√ß√Ķes s√£o inclu√≠das no dia a dia de aulas e leituras que fa√ßo, portanto n√£o tenho como referenciar tudo que sistematizo ap√≥s leitura.
      Fique a vontade quanto à navegação!

    • Conforme Adas (2004, p. 355), bioma √© o “Conjunto de plantas e animais adaptados √† sobreviv√™ncia, cada qual dentro de uma zona ou √°rea geogr√°fica, resultantes de uma classifica√ß√£o geral das comunidades de plantas e animais existentes na Terra.”

      Fonte: ADAS, Melhem. Panorama geogr√°fico do Brasil. S√£o Paulo: Moderna, 2004, p. 355.

  10. Bau boa noite.
    Eu estava precisando pra uma pesquisa que estou fazendo da série histórica de desmatamento de cada bioma, se possível desde de 1995 a 2010.
    Você saberia onde eu poderia conseguir?

    abraços

  11. Esse conte√ļdo foi muito bom para meu estudos, s√≥ q eu queria um pouco mais sobre pantanal
    Se tiver como vc me ajudar eu vou agradecer mais ainda

  12. Seu material √© t√£o bom que gostaria de publicar no meu face. Teria como? N√£o tenho ideia…
    Um abraço
    Prof. Gina

  13. Em Marcos tem como vc me ajudar de novo
    √Č q dessa vez eu preciso de informa√ßao sobre a mata araucaria
    Sua ajuda vai ser muito √ļtil
    OBG

  14. Professor Bau,
    Ap√≥s a leitura do texto acima (que por sinal estava √≥timo) fiquei com uma d√ļvida:
    Qual a diferença entre formação vegetal e bioma?
    Um abraço

    • Victor,
      Bioma é o conjunto de plantas e animais adaptados à sobrevivência dentro de uma zona ou área geográfica. Portanto a formação vegetal faz parte do bioma.

    • M√©rcia,
      Essa informação não procede. Fui a um colega biólogo para me certificar do que já ia te responder. As folhas aciculifoliadas realizam sim a evapotranspiração.

  15. meu filho precisa fazer um trabalho que fale sobre os biomas brasileiros seu uso e ocupação fora este site vc teria outros para indicar??

Deixe uma resposta