Fragmentos de Brasil (1500-2002)

O escrito disponibilizado em link do 4shared indicado abaixo, tem o intuito de auxiliar os alunos do ensino m√©dio que est√£o em processo preparat√≥rio para o vestibular, PAS 2¬™ etapa e ENEM, e √© o resultado do fichamento – pelo professor¬† Marcos Brand√£o – de livros citados nas refer√™ncias. Os fragmentos escolhidos abordam o Brasil ao longo das diferentes fases de incorpora√ß√£o na economia-mundo, isto √©, nos tr√™s padr√Ķes da sua economia pol√≠tica: o de col√īnia (1500-1822), o de imp√©rio mercantil (1822-1889) e o de capitalismo industrial perif√©rico (1889-2002).

Para melhor explicar essa abordagem geogr√°fica que fatalmente se apodera de um forte cunho hist√≥rico, parafraseamos os ge√≥grafos Milton Santos e Maria Silveira quando afirmam que a hist√≥ria do territ√≥rio brasileiro √©, a um s√≥ tempo, una e diversa, pois √© tamb√©m a soma e a s√≠ntese de suas regi√Ķes. Para entend√™-la no seu processo e na sua realidade atual, um esfor√ßo de periodiza√ß√£o √© essencial. A quest√£o √© escolher as vari√°veis-chave que, em cada peda√ßo do tempo, ir√£o comandar o sistema de vari√°veis, esse sistema de eventos que denominamos per√≠odo. Eis o princ√≠pio a partir do qual podemos valorizar os processos e reconhecer as novidades da hist√≥ria do territ√≥rio. √Č desse modo que se pode dizer que o espa√ßo √© sempre hist√≥rico e sua historicidade deriva da conjun√ß√£o entre as caracter√≠sticas da materialidade territorial e as caracter√≠sticas das a√ß√Ķes.

Assim sendo, este escrito segue a id√©ia do ge√≥grafo Antonio Carlos Robert Moraes quando infere que a geografia tal como concebida no transcorrer destas p√°ginas, emerge em todas as √©pocas hist√≥ricas e em todas as sociedades, pois se refere √† rela√ß√£o inelut√°vel dos seres humanos com o meio que os abriga. Pode-se, portanto, dizer que em qualquer per√≠odo da hist√≥ria e em qualquer agrupamento humano existe uma geografia (material e discursiva) que comp√Ķe parte da cultura de cada grupo social e de cada civiliza√ß√£o. A variedade destas geografias √© inerente √† variedade de culturas existentes na hist√≥ria humana. Logo, h√° necessidade de diferenciar e historicizar as culturas para bem contextualizar as suas geografias. Da√≠ a necessidade de compor uma teia de fundamentos te√≥ricos que sustentem a posi√ß√£o assumida: ver a geografia humana, em si, como uma modalidade de hist√≥ria, isto √©, a espacialidade como elemento particularizador dos fen√īmenos hist√≥ricos.

No desenvolvimento deste trabalho, o escopo maior foram os livros: Brasil: uma nova pot√™ncia regional na economia-mundo, O Brasil: territ√≥rio e sociedade no in√≠cio do s√©culo XXI, A quest√£o do territ√≥rio no Brasil e Territ√≥rio e hist√≥ria no Brasil. Obras de ge√≥grafos bastante gabaritados e que explicam com clareza o processo de produ√ß√£o, constru√ß√£o e organiza√ß√£o do espa√ßo brasileiro, junto √† sua introdu√ß√£o e rela√ß√Ķes com a mundializa√ß√£o do capital. Outra consulta importante foi feita na obra Hist√≥ria do Brasil de Boris Fausto, al√©m do portal www.presidencia.gov.br que nos auxiliou com os recortes temporais dos mandatos presidenciais e alguns dos acontecimentos hist√≥rico-espaciais importantes do Brasil.

Cabe tamb√©m lembrar a descri√ß√£o dos ge√≥grafos j√° mencionados, Milton Santos e Maria Silveira, em uma importante interpreta√ß√£o que muito bem resume o presente texto. Esses dois ge√≥grafos citam a obra Forma√ß√£o econ√īmica do Brasil, do economista Celso Furtado, que distingue cinco momentos hist√≥ricos do Brasil: 1) os fundamentos econ√īmicos da ocupa√ß√£o territorial (at√© a implanta√ß√£o da empresa agr√≠cola); 2)a economia escravagista da agricultura tropical (s√©culos XVI e XVII); 3) a economia escravagista mineira (s√©culo XVIII); 4) a economia de transi√ß√£o para o trabalho assalariado (s√©culo XIX) com a economia cafeeira, a imigra√ß√£o europ√©ia, a transum√Ęncia amaz√īnica e a elimina√ß√£o do trabalho escravo; 5) a economia de transi√ß√£o para um sistema industrial (s√©culo XX), com a crise do caf√© e o deslocamento do centro din√Ęmico.

Com base nas informa√ß√Ķes citadas nos par√°grafos anteriores, usou-se metodologicamente o crit√©rio cronol√≥gico para atingir o objetivo em auxiliar/situar o aluno do ensino m√©dio nos principais acontecimentos espa√ßo-temporais desde os ciclos econ√īmicos da coloniza√ß√£o at√© chegarmos aos fluxos financeiros da globaliza√ß√£o. Contudo, faz-se importante ressaltar que: por ser um complemento com o intento de servir como uma esp√©cie de guia dos acontecimentos na produ√ß√£o do espa√ßo brasileiro, n√£o h√° nenhuma pretens√£o em abarcar com profundidade acad√™mica tais acontecimentos, pois al√©m de entendermos que o t√≠tulo Fragmentos de Brasil explica por si s√≥ a ‚Äúsuperficialidade‚ÄĚ escrita pela compila√ß√£o das id√©ias de alguns autores, os livros did√°ticos adotados pelas escolas continuar√£o a ser o ponto de converg√™ncia do conhecimento discente.

Para fazer o download do arquivo completo em PDF (21 p√°ginas), clique aqui!

5 thoughts on “Fragmentos de Brasil (1500-2002)

  1. Esse site est√° realmente fant√°stico Bau, parab√©ns. Tenho certeza que os outros arquivos s√£o t√£o bons quanto esse que me ajudou muito a estudar e agora que eu consegui ele de novo vai ajudar novamente eu tenho certeza. ūüėÄ Beijo.

Deixe uma resposta