Hidrelétrica de Belo Monte – Rio Xingu/PA


O Conflito de Belo Monte

Prof. Marcos Brandão, com dados do Le monde Diplomatique, março de 2011, p. 8, 9.

A usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, Pará, se concluída, será a terceira maior do mundo. Um projetode engenharia da década de 1970 que previa a construção de seis grandes hidrelétricas ao longo do rio Xingu (o conjunto de barragens alagaria uma área de 20 mil Km2 –  o equivalente ao estado de Sergipe).

Comunidades indígenas e ribeirinhas que vivem às margens do rio protestaram junto com o nascente movimento socioambientalista brasileiro em 1989.  A repercussão mundial fez com que os financiadores internacionais recuassem e como o Brasil não tinha condições de tocar o projeto sozinho foi obrigado a engavetar. A mudança no projeto original surge em 2003 com a afirmação de que não alagaria uma área tão grande quanto a anterior (o lago que seria de 1.200km2 passou a ser menos de 600km2 e não haveria as demais hidrelétricas do projeto original).

Há previsão de 11,2 mil megawatt de potência instalada, mas alternando as épocas de cheia e seca, a média não passa de 4.571 megawatt (na época seca, 1.172MW com a maioria das turbinas ociosa), pois Belo Monte não terá reservatório de acumulação – como existe em outras hidrelétricas – por alagar uma área menor.

 O custo estimado é  de 19 bilhões de reais, mas o BNDES que é o principal financiador admite que não custará menos do que R$ 25,9 bilhões. Os sócios majoritários de Belo Monte são todos empresas públicas (do grupo Eletrobrás) e fundos de pensão de empresas estatais (sobretudo do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal) regados a financiamentos públicos do BNDES, ou seja, o risco é público e o lucro, privado.

 Em tamanho ficará atrás apenas da chinesa Três Gargantas e da binacional (Brasil e Paraguai) Itaipu. Muitos duvidam, entretanto, na possibilidade do grupo honrar o acordo de oferecer energia tão barata, com uma tarifa-teto de 83 reais o megawatt-hora, abaixo do estimado pelo mercado para esse tipo de empreendimento na região amazônica. Pelo menos 15 processos judiciais tramitam atualmente, questionando a viabilidade econômica da obra e os impactos sociais e ambientais para a região. A celeuma deu origem, basicamente, a dois grupos: os defensores de Belo Monte, que vêem na obra ganhos econômicos, desenvolvimento regional e afastamento do risco eminente de apagão; e os críticos de Belo Monte, que vêem na obra risco à sustentabildiade social ambiental da região amazônica, e do Brasil.

Clique aqui e entenda a construção da hidrelétrica.

Belo Monte

Por Eduardo Tavares | 16.10.2009 | 09h01 para o Portal Exame.

A polêmica em torno de Belo Monte é tão grande quanto suas dimensões. Com capacidade de produção de 11.200 megawatts, Belo Monte será a segunda maior usina hidrelétrica do Brasil, atrás apenas da binacional Itaipu (14.000 MW). A discussão em torno de sua construção, no entanto, dura quase 30 anos. Entre seus opositores já estiveram figuras tão distintas quanto o cantor Sting e o cacique Paulinho Paiakan, além de índios furiosos que golpearam a facão um funcionário da Eletrobrás. Do lado oposto, estão as maiores empreiteiras e empresas de energia do país, interessadas em construir a hidrelétrica, além do governo, que argumenta que apenas o início da construção da usina será suficiente para manter os preços da energia mais baixos no Brasil nos próximos anos.

Outras fontes…

Em abril de 2010, para o Portal Exame, o presidente Lula destacou que o potencial hídrico do país gira em torno de 260 mil megawatts (aproveita-se aprox. 30% desse potencial) e que seria “insano” substituir tal produção por termelétricas a óleo diesel, por exemplo. Informou ainda que a área ocupada pela usina será 60% menor do que inicialmente previsto e 16 mil pessoas devem ser deslocadas da região. “Obviamente que sempre vai ter aqueles que não querem que a gente faça para poderem encontrar um culpado”, disse o presidente, ao se referir ao que chamou de “indústria do apagão”.

Segundo especialistas entrevistados pelo portal G1 (20/04/2010), embora tenha capacidade instalada de 11 mil MW, o que a tornará a segunda maior hidrelétrica do país, Belo Monte tem energia firme (que pode ser assegurada já prevendo os períodos de seca) de 4,4 mil MW, 40% da capacidade. Na maior usina do país, a binacional Itaipu, que tem 14 mil MW de capacidade, a energia firme representa 61%. Na segunda maior atualmente, Tucuruí – que perderá a posição para Belo Monte -, o percentual é de 49%.

Fonte: CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.
Nota: os números correspondem aos códigos das sub-bacias, como indicado na Tabela 4.2 (final do post).

Os movimentos sociais e as lideranças indígenas da região são contrários à obra porque consideram que os impactos socioambientais não estão suficientemente dimensionados. Exemplos infelizes como a construção das usinas hidrelétricas de Tucuruí (PA) e Balbina (AM), as últimas construídas na Amazônia, nas décadas de 1970 e 1980, estão aí de prova. Desalojaram comunidades, inundaram enormes extensões de terra e destruíram a fauna e flora daquelas regiões. Balbina, a 146 quilômetros de Manaus, significou a inundação da reserva indígena Waimiri-Atroari, mortandade de peixes, escassez de alimentos e fome para as populações locais. A contrapartida, que era o abastecimento de energia elétrica da população local, não foi cumprida. O desastre foi tal que, em 1989, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), depois de analisar a situação do Rio Uatumã, onde a hidrelétrica fora construída, concluiu por sua morte biológica. Em Tucuruí não foi muito diferente. Quase dez mil famílias ficaram sem suas terras, entre indígenas e ribeirinhos. Diante desse quadro, em relação à Belo Monte, é preciso questionar a forma anti-democrática como o projeto vinha sendo conduzido, a relação custo-benefício da obra, o destino da energia a ser produzida e a inexistência de uma política energética para o país que privilegie energias alternativas (Instituto Socioambiental, ISA).

Fonte: CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.

Fonte da animação em flash: Portal G1.

48 thoughts on “Hidrelétrica de Belo Monte – Rio Xingu/PA

  1. Professor, apenas uma correção, na terceira linha está escrito “estimdado” ao invés de “estimado”. Excelente texto, entendi bem o assunto. Obrigado, abraço.

  2. PROFESSOR,

    GOSTARIA DE SABER QUAIS SAO AS DEZ MAIORES USINAS HIDRELETRICAS DO PLANETA TERRA E ONDE ESTAO LOCALIZADAS,EM POTENCIAL MINIMO E MAXIMA POTENCIAL DURANTE O ANOAREAS DE TERRA QUE CADA USINA OCUPA E QUAL A VARIAÇAO DA COTA MAXIMA E MINIMA DESSAS USINAS.

  3. Marcos Brandão, gostaria de saber se haverá um desvio das aguas para que não alague a parte a qual localiza-se as aldeias indígenas, e se caso isso acontecer como será feito esse desvio?

  4. Professor, gostaria de saber que desde a construção das usinas hidrelétricas de Tucuruí (PA) e Balbina (AM), que não deram certo, se podemos confiar mais, confiar em resultados melhores? Se a Usina for ser feita. Sendo que já se passou 40,30 anos a construção dessas usinas…

    Obrigada ;D

    • Thaís,
      Balbina é que foi uma catástrofe ambiental, pois alagou praticamente a mesma área de Tucuruí e gera 17 vezes menos energia. Nesse caso sou otimista em pensar nos resultados melhores, Belo Monte por exemplo, em 1975 iria alagar uma área de 2.500km² e atualmente irá alagar 512km² (não podemos esquecer que mesmo assim essa hidrelétrica ainda é um grande problema socioambiental que necessita de muitas discussões).
      Mas além de hidrelétricas temos que baixar custo para diversificar cada vez mais nossa matriz (eólica, biocombustível, solar etc)

  5. professor, na região, abaixo da barragem, quando forem fechada aos comportas para fazer o lago, claro que vai haver uma diminuição de agua. Na foz do xingu esta o rio amazonas, a tendencia natural será a entrada das agua do amazonas, no xingu, para suprir a agua que foi reressada, com isso, pode haver uma mudança no eco-sistema da região, uma vez que a agua do amazonas e barrenta e com nutriente diferente, alterando o Ph. Considere a isso que a agua do rio xingu é verde azulada e transparente. Qual será o impacto?

    • Eliakim,
      Em sua pergunta você respondeu parte do problema, pois a mudança do ecossistema pode extinguir algumas espécies e ameaçar outras.

      Veja as principais impactos ambientais negativos de usinas hidrelétricas:
      Inundam áreas extensas de produção de alimentos e florestas;
      Alteram fortemente o ambiente e com isso prejudicam muitas espécies de seres vivos, exemplo: interferem na migração e reprodução de peixes;
      Alteram o funcionamento dos Rios;
      Geram resíduos nas atividades de manutenção de seus equipamentos.
      Fonte: http://www.rge-rs.com.br/gestao_ambiental/impactos_ambientais/impactos.asp

  6. Com tantas ongs daqui e de fora, Globo, Folha, padres, atores e cineastas contra a usina … acho que vou ficar a favor! Usam argumentos falsos: emissão de metano (os igarapés e as bacias pantaneiras emitem muito mais metano), ocupar terras indígenas (a usina não ocupa terra indígena), problema com a navegabilidade do rio (barragens regularizam a vazão, diminuindo os picos de cheias e vazantes), problemas com a pesca (como se não pudessem construir viveiros para que os índios e ribeirinhos sigam pescando), direcionamento da energia (quando o sistema é interligado nacionalmente), etc. Teriam que, no mínimo, trazer argumentos válidos. Houve quatro audiências locais, tentaram impedi-las de ocorrer para depois dizer que ‘os índios e moradores não foram ouvidos’. Há contrapartidas sociais e ambientais previstas. A hidroeletricidade é limpa e renovável, muito mais barata que a eólica e solar, além de ser abundante no Brasil. O Brasil consome bem menos energia per capita que o Chile, Argentina, países europeus e Estados Unidos. Escolas, hospitais e lares também dependem de energia … pronto, falei! rs

  7. é em minha opinião este projeto está muito precipitado por que, temos que pensar também na natureza e nos povos índigenas. no meu ponto de vista não vale apena produzir este projeto agora mesmo que não vale apena porque todo o ano o rio seca e ai como fica pelo menos esta hidrelétrica vai funcionar pelo menos 4 meses por ano, na minha opinião deveriam pensar em outros meios de construir esta Hidrelétrica, Porque deveriam pensar não so em si mesmo mais sim no próximo porque os índigenas também são seres humanos e devem ser respeitado no meio da civilização, e não devemos tratar eles como indigentes afinal eles também tem carater e devem ser respeitados.

    • Olá,
      Minha opinião daria um outro post sobre o assunto, mas, sendo o mais sucinto possível posso dizer que apesar do país precisar da geração de energia (e a hidráulica é das mais baratas) é necessário uma maior discussão sobre os impactos socioambientais causados e que estão explicitados no texto.

  8. Um projeto estratégico do tamanho e da complexidade de Belo Monte gera uma série de dúvidas, ansiedades e discussões.
    As pesssoas por não conhecer profundamente o empreendimento, acabam o criticando. É normal e até saudável que isso tenha acontecido.
    Por isso é que estamos aqui: para iniciar o debate, tirar dúvidas e ampliar os questionamentos.
    Acreditamos que assim, com esse canal de comunicação aberto, tornaremos o projeto da Usina de Belo Monte um projeto melhor para todos os brasileiros e é claro, melhor para o futuro do Brasil.
    Nossa idéia é ir construindo Belo Monte junto com vocês.

    Inscreva-se no nosso canal no Youtube, visite-nos no Facebook ou mande sua dúvida pelo twitter @uhebelomonte

  9. professor a construção desta usina ao meu ver será um desastre socioambiental. eu não consigo ver algo positivo para essa região e para o brasil. mais uma vez o poder econômico fala alto. democracia só no voto. é triste, muito triste.

  10. Gostei muito do texto, foi bem elaborado, mas existem algumas coisas que me intrigam em relação a belo monte. A primeira é que todos falam da quantidade de vazão, que volta e meia varia, mas, estimasse que será de 516 Km2 como se não fosse nada, é possível imaginar a quantidade de especies que entrarão em extinção. A região do Xingu possui quatro vezes mais quantidade de peixe do que na Europa, e o governo federal dando continuidade a essa obra estará dizendo que se “dane” o meio ambiente, a fauna e flora.
    Outro ponto em questão serão as famílias e tribos indígenas que terão de ser remanejadas. Para o governo uma indenização resolve, porém dinheiro não paga uma cultura perdida, valores destruídos e muito menos restitui toda uma biodiversidade devastada devido a ganância dos que vão lucrar por trás dessa hidrelétrica.
    O Brasil possui aproximadamente 173 hidrelétricas e 392 pequenas centrais elétricas, será que essa hidrelétrica vai compensar o estrago que ela causara no meio ambiente? Belo monte ira dar emprego sim, cerca de 18 mil empregos efetivos e 80 mil temporários. Agora pense comigo, obviamente que tem que estar capacitado para assumir um emprego em uma hidrelétrica. Será que a população de onde a mesma será construída estar capacitada para assumir esses cargos ou eles serão encaixados nos 80 mil temporários que provavelmente será para a construção da mesma? As promessas de belo monte são semelhantes à de Tucuruí redução na conta de energia. Tucuruí já esta aqui há 28 anos e so foi visto aumento quem nos garante que com belo monte será diferente? O governo federal? O mesmo que quer tomar as terras indígenas passando por cima da constituição? Isso pra mim não é garantia nenhuma. O superfaturamento é algo a ser questionado também, engenheiros avaliam a obra em 18 milhões já o governo diz que a obra custara 30 milhões mais de 10 milhões que vão sair do seu bolso e do meu. E depois da usina estar pronta quem vai usufruir dos valores arrecadados? Suponho que não será o povo que foi remanejado, e todos os afetados, que não são poucos. Os riscos são públicos já os benefícios produzidos por ela são privados?
    Fabricio Amaral, Santarém PA

  11. Professor,
    Muito obrigada, aqui eu encontrei tudo o que estava procurando! Seu site é ótimo!
    Eu gostaria de saber o que vai acontecer com os índios que habitam a região que vai ser alagada com a construção da hidrelétrica Belo Monte.

    • Obrigado Bruna!
      Pelo projeto atual nenhuma comunidade indígena será remanejada do local, pois a área do reservatório já fica temporariamente inundada durante a cheia do rio.

  12. Marcos, tenho 14 anos sou de Roraima, e gostaria de saber se futuramente essa usina de Belo Monte vai causar muitos impactos ambientais, ou assim que terminarem de construi-la ja vai começar a dar problemas?
    pois muitas pessoas que conheço de São Paulo, estão dizendo que essa usina não vai prestar, pois ira causar varios danos a natureza, enfim, gostaria muito de saber!
    obrigada!

  13. professor neste seu tento voce explica a questao economica do meio ambiente, consequencias positivas e solucoes e como podemos crescer economicamente sem prejudicar o meio ambiente?

    • Não podemos Mariana. A busca é de um caminho que minimize cada vez mais os impactos causados pelo crescimento econômico, daí o conceito de sustentabilidade.

Deixe uma resposta