Estrutura da Terra e vulc√Ķes

Estrutura da TerraLink relacionado: Estrutura geol√≥gica do Brasil e¬†O poder da Terra – programa sobre vulc√Ķes

Os elementos que constituem a Terra foram se agrupando em camadas conc√™ntricas com diferentes composi√ß√Ķes qu√≠micas, segundo seu peso e densidade. Quanto maior for a profundidade, maior ser√° a densidade, devido √† press√£o.

A estrutura do planeta Terra pode ser comparada a um ovo: a casca, extremamente fina, seria a crosta terrestre, com uma espessura m√©dia de 25km (por volta de 6km em algumas partes do assoalho oce√Ęnico e de 70km nas regi√Ķes de cadeias montanhosas). O manto, com 2.870km de espessura, √© formado por magma pastoso e denso, em estado de fus√£o, e pode ser comparado √† clara do ovo. Por fim, o n√ļcleo, compar√°vel √† gema, √© a parte mais densa do planeta, formado predominantemente por n√≠quel e ferro (NIFE), e √© subdividido em n√ļcleo externo em estado de fus√£o e n√ļcleo interno em estado s√≥lido devido √† grande press√£o (veja figura que segue).

Comportamento f√≠sico da Terra. Quanto √† composi√ß√£o qu√≠mica, o manto √© dividido em litosfera, astenosfera e mesosfera e o n√ļcleo em externo e interno. Fonte: Revista Veja.

Vulc√Ķes

Situe os vulc√Ķes no mundo pelo Google Earth clicando aqui.

Existem dois tipos b√°sicos de vulc√£o: o explosivo e o n√£o explosivo. 0 primeiro aparece nos pontos de encontro das placas tect√īnicas, os grandes blocos que formam a litosfera – Seu melhor exemplo est√° nos vulc√Ķes que desenham o Cintur√£o de Fogo, em torno do oceano Pac√≠fico (veja v√≠deo que segue do vulc√£o Chait√©n, no chile). Esse tipo se caracteriza tamb√©m pela lava quase s√≥lida, al√©m de expelir poeira e uma mistura de gases e vapor d’√°gua. A lava desses vulc√Ķes vem das profundezas da Terra, onde a temperatura elevada derrete a rocha da crosta oce√Ęnica e faz com que ela se misture √† √°gua do mar. √Č justamente a presen√ßa de √°gua que confere o car√°ter explosivo a esse tipo de vulc√£o. Isso ocorre porque, conforme a lava sobe, o vapor d’√°gua √© liberado da rocha e esbarra numa tampa formada pelo material endurecido da explos√£o anterior, aumentando a press√£o at√© explodir de vez (veja figura que segue).

Clique na imagem para uma melhor visualização. Fonte: Guia do Estudante 2010, p. 39.

j√° os vulc√Ķes n√£o explosivos, como os do Hava√≠, ficam bem no meio de uma placa tect√īnica, longe do choque entre elas. Esse tipo surge quando ocorre alguma fissura na crosta terrestre por onde a lava pode escorrer. Essa lava √© mais l√≠quida e incandescente. H√° ainda outro tipo de vulc√£o n√£o explosivo, que pode aparecer no fundo do mar, a grandes profundidades.¬†As cinzas lan√ßadas pela erup√ß√£o de vulc√£o explosivo na Isl√Ęndia provocaram fechamento de aeroportos na Europa na manh√£ da quinta-feira de 15 de abril de 2010. A situa√ß√£o provocou caos a√©reo na Gr√£-Bretanha que refletiu em outras partes do mundo. Os tr√™s aeroportos de Londres, na Inglaterra, anunciaram suspens√£o de v√īos a partir das 8h de Bras√≠lia.

V√≠deo do programa Fant√°stico sobre vulc√£o da Isl√Ęndia, situado na Dorsal Mesoatl√Ęntica, limite divergente de placa tect√īnica que explica a separa√ß√£o dos continentes ou deriva continental.

O Servi√ßo de Controle de Tr√°fego A√©reo imp√īs restri√ß√Ķes √†s opera√ß√Ķes, porque as cinzas al√©m de reduzir drasticamente a visibilidade dos pilotos dos avi√Ķes poderiam danificar e at√© parar os motores das aeronaves, causando acidentes (veja figura que segue).

Clique na imagem para uma melhor visualização.

Coisa similar ao que foi explicado no parágrafo anterior aconteceu no Chile em junho de 2011. A nuvem de fumaça do vulcão Puyehue fechou aeroportos do Chile, Uruguai, Argentina, Paraguai e até da região Sul do Brasil (veja figura que segue).

Reportagem sobre outro vulcão no Chile, o Chaitén, que ao entrar em erupção também afetou o Uruguai e a Argentina.

 

Fonte: Infogr√°fico do vulc√£o Puyehue, Chile (erup√ß√£o em jun 2011). Fonte: Revista Isto√© n¬ļ2170, 15 jun 2011, p. 110.

O Brasil n√£o possui nenhum vulc√£o hoje. Mas isso n√£o quer dizer que nunca tivemos nossas montanhas de fogo. Nosso vulc√£o mais antigo j√° descoberto soltava lava na Amaz√īnia h√° 1,9 bilh√£o de anos (era Pr√©-Cambriana); essa descoberta deu ao Brasil o t√≠tulo de ter o vulc√£o mais antigo do planeta. Bem depois disso, cerca de 150 milh√Ķes de anos atr√°s, na era Mesozoica, havia na Am√©rica do Sul uma grande fissura que ia do estado de Mato Grosso at√© a Argentina-na regi√£o em que atualmente corre o rio Paran√°. Dessa enorme rachadura, escorreu uma quantidade de lava que se acumulou da cidade de Santos (SP) at√© a cordilheira dos Andes, na maior atividade vulc√Ęnica do planeta na √©poca. Outro exemplo curioso √© o da cidade de Po√ßos de Caldas (MG), que est√° situada na cratera de um vulc√£o extinto.

pocosdecaldas

Demarcação do vulcão extinto em que a cidade de Poços de Caldas/MG está inserida.

Por fim, √© sempre bom lembrar: apesar do car√°ter dram√°tico de muitas erup√ß√Ķes, a atividade vulc√Ęnica est√° longe de ser um mal com o qual a humanidade precisa aprender a conviver. Ao contr√°rio, o vulcanismo est√° entre os agentes internos do globo terrestre que ajudaram – e ainda ajudam – a dar forma ao relevo da Terra.

Grandes erup√ß√Ķes vulc√Ęnicas j√° tiveram efeito refrigerador no clima da Terra. O resfriamento vulc√Ęnico pode causar uma quebra tempor√°ria nos efeitos das emiss√Ķes de gases estufa antropog√™nicas, apontadas como respons√°veis pelas mudan√ßas clim√°ticas. O resfriamento se explica por uma f√≥rmula simples: o vulc√£o libera grande quantidade de cinzas vulc√Ęnicas e di√≥xido de enxofre, que s√£o transportados para a estratosfera, camada da atmosfera acima da troposfera, a mais pr√≥xima da superf√≠cie. L√°, fen√īmenos f√≠sico-qu√≠micos criam uma fina camada de part√≠culas esbranqui√ßadas que, durante meses ou anos, circundam a Terra e refletem parte dos raios solares, impedindo que a radia√ß√£o atinja o solo.

Clique na imagem para uma melhor visualização.

Texto e figuras adaptadas do Portal G1, Folha Online, Guia do Estudante Geografia, 2010, p. 38, 39 e Revista Veja, Apesar do “lugar comum”, edi√ß√£o 2161.