Entenda o Pré-sal


Links relacionados:

Histórico do petróleo no Brasil.

O mundo movido a petróleo.

O Brasil vai exportar petróleo?

As reservas de petr√≥leo subsal, ou o petr√≥leo da camada pr√©-sal encontram-se em¬† diferentes profundidades, variando 2000 a 3000m de l√Ęmina d‚Äôagua antes de chegar ao leito marinho. No subsolo do mar, a primeira camada de rochas sedimentares, a camada mais superficial, √© chamada de p√≥s-sal, pois est√° acima das rochas salinas) No p√≥s-sal est√£o importantes reservas petrol√≠feras como a Bacia de Campos, que representava a quase totalidade das reservas brasileiras at√© 2005. Abaixo desta primeira camada de rochas (p√≥s-sal), encontra-se a camada de rochas evapor√≠ticas, rochas salinas ou simplesmente camada de sal. Esta camada varia de algumas centenas de metros at√© 2km de rochas salinas. Sob a camada de rochas salinas est√£o as rochas ‚Äúpr√©-sal‚ÄĚ, em que foram identificadas as primeiras reservas gigantescas do pr√©-sal, os campos de Tupi, Iara e Parque das Baleias.

Mapa do Pré-Sal (clique na imagem para uma melhor visualização).

O ‚Äúpr√©-sal‚ÄĚ √© considerado uma grande bacia petrol√≠fera, sem que se saiba exatamente se √© um conjunto de enormes campos petrol√≠feros independentes, mas pr√≥ximos, ou um √ļnico campo petrol√≠fero gigantesco. Avalia-se que tenha entre 70 e 100 bilh√Ķes de barris (1 barril tem 158,9 litros) equivalentes de petr√≥leo e g√°s natural mineral. Os ge√≥logos mais otimistas falam em at√© 200 bilh√Ķes ou 300 de barris caso seja formado por um √ļnico campo ou se a sua extens√£o for ainda maior do que a √°rea j√° mapeada.

Perfil da camada Pré-sal (clique na imagem para uma melhor visualização)

O petróleo da camada pré-sal é mais leve do que o petróleo encontrado no restante do Brasil, como o petróleo da Bacia de Campos, geralmente considerado petróleo pesado. Assim, o petróleo leve, como óleo da camada pré-sal, é estratégico para o Brasil, pois:

(I) é mais fácil de ser refinado, produzindo uma porcentagem maior de derivados finos;

(II) tem menos enxofre, poluindo menos quando é refinado;

(III) portanto, é comercializado por um valor maior no mercado internacional.

Os produtos derivados de petróleo com maior valor agregado não são necessariamente os combustíveis, mas sim os outros produtos duráveis e semi-duráveis resultantes do refino de petróleo. Os subprodutos do petróleo incluem desde produtos inflamáveis, solventes, fertilizantes, agrotóxicos, produtos farmacêuticos, materiais sintéticos, tintas,, solventes, detergentes, vernizes, borracha sintética e plásticos (polímeros), dos quais se destacam os policarbonatos, poliuretanos, polipropileno, PVC, PET.

vídeo explicativo da Petrobras sobre o pré-sal

A descoberta de gigantescas reservas de petr√≥leo na camada pr√©-sal do litoral brasileiro, simplesmente pode atrair a cobi√ßa internacional sobre as riquezas brasileiras em uma escala como nunca se viu antes. H√° proje√ß√Ķes que falam em mais de 100 bilh√Ķes de barris de petr√≥leo no pr√©-sal, o que significa algo como um Kuwait ou um Iraque no nosso litoral. Por si s√≥, isto j√° seria suficiente para modificar a geopol√≠tica do Atl√Ęntico Sul. N√£o √© dif√≠cil imaginar o que poder√° acontecer se novas descobertas deste tipo, forem feitas em forma√ß√Ķes geol√≥gicas semelhantes ao nosso pr√©-sal (bacias petrol√≠feras abaixo de camadas de rochas salinas), em outros locais do Atl√Ęntico Sul, tanto no litoral da Am√©rica do Sul, como da √Āfrica.

Clique na imagem para aument√°-la.

Os combust√≠veis derivados de petr√≥leo e o g√°s natural representam 60% de toda a energia consumida no mundo e a explora√ß√£o petrol√≠fera representa diretamente cerca de 10% do PIB mundial. Indiretamente os milhares seus subprodutos combust√≠veis derivados de sustentam a economia mundial como conhecemos hoje. Devido ao seu enorme peso econ√īmico e geopol√≠tico, o petr√≥leo √© considerado o pilar fundamental da civiliza√ß√£o industrial estruturada ao longo do s√©culo XX, tamb√©m chamada de ‚Äúciviliza√ß√£o do petr√≥leo‚ÄĚ.

Com o aprofundamento da integra√ß√£o regional no √Ęmbito do Mercosul e da UNASUL (Uni√£o das Na√ß√Ķes Sul-Americanas re√ļne os doze pa√≠ses da Am√©rica do Sul e visa aprofundar a integra√ß√£o da regi√£o), √© poss√≠vel esperar que a coopera√ß√£o Brasil-Argentina*** em √°reas estrat√©gicas seja retomada em larga escala. A retomada da coopera√ß√£o nuclear e a cria√ß√£o de um programa espacial conjunto, seriam iniciativas fundamentais para alavancar o desenvolvimento tecnol√≥gico dos pa√≠ses que hoje formam o n√ļcleo da integra√ß√£o sul-americana.

***Cita-se a Argentina por ser o maior parceiro do Brasil no Cone Sul e pela atual crise nas Malvinas como apenas mais um cap√≠tulo de uma longa disputa entre Argentina e Inglaterra pela posse destas ilhas de¬† localiza√ß√£o estrat√©gica e com recursos petrol√≠feros ainda por serem mapeados. Segundo Lula em 23/02/2010, a falta de representatividade da ONU se reflete no embate entre Argentina e Reino Unido por causa das Ilhas Malvinas. ‚ÄúQual √© a explica√ß√£o geogr√°fica, pol√≠tica e econ√īmica para a Inglaterra estar nas Malvinas. Qual √© a explica√ß√£o para a Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas n√£o ter ainda tomado uma decis√£o e dizer que n√£o √© poss√≠vel que a Argentina n√£o seja dona das Malvinas. Ser√° que √© o fato de a Inglaterra participar como membro permanente do Conselho de Seguran√ßa das Na√ß√Ķes Unidas, e que eles podem tudo e os outros n√£o podem nada‚ÄĚ, questionou.

Cerca de 28% da √°rea do pr√©-sal j√° foram licitados de acordo com as regras vigentes, de concess√£o das √°reas (veja mapa que segue). Estima-se que somente os campos de Tupi, Iara e Parque das Baleias podem ter um total de 14 bilh√Ķes de barris. Se esse montante fosse completamente usado hoje, a Uni√£o receberia cerca de R$ 160 bilh√Ķes em royalties e participa√ß√£o especial.

Fonte: Revista Veja, 7 de abril, 2010, p. 91. Colaboração da Profa. Helceny Cristina Fonseca.

“O cons√≥rcio, formado pela Petrobras (65%), BG Group (25%) e Galp (10%), dar√° continuidade √†s atividades e investimentos necess√°rios para a avalia√ß√£o das jazidas em Tupi, com a perfura√ß√£o de novos po√ßos at√© a Declara√ß√£o de Comercialidade, prevista para dezembro de 2010″, completou a Petrobras.


Em fevereiro de 2010, os parlamentares aprovaram o relatório e o texto base do projeto que institui e define o Fundo Social que se apropriará dos recursos advindos de sua exploração. O Fundo destinará seus rendimentos exclusivamente para educação, tecnologia,  combate à pobreza, cultura, pesquisas e meio ambiente.

A √ļnica proposta do pr√©-sal aprovada integralmente na C√Ęmara at√© o momento foi o PL 5939/09, que cria a Petro-Sal, estatal para gerenciar todos os contratos de explora√ß√£o e produ√ß√£o de petr√≥leo e de g√°s na √°rea do pr√©-sal sob o novo modelo de partilha proposto pelo governo. Esse projeto j√° est√° no Senado.

Segundo o l√≠der do governo deputado C√Ęndido Vaccarezza (PT-SP), a vota√ß√£o de nove medidas provis√≥rias que tramitam na C√Ęmara acontecer√° posteriormente √† vota√ß√£o das propostas do pr√©-sal.


O √ļltimo projeto do Executivo sobre o pr√©-sal que estabelece novas regras de distribui√ß√£o dos royalties (veja abaixo o que significa) foi¬†aprovado¬†na noite¬†desta quarta-feira (10/03/2010) na C√Ęmara dos Deputados por¬†369 votos a favor, 72¬†contra e duas absten√ß√Ķes.¬†O projeto foi aprovado com a chamada “emenda Ibsen”, que imp√Ķe uma nova distribui√ß√£o dos royalties para que todos os Estados e munic√≠pios, independente de¬†serem produtores ou n√£o,¬†recebam segundo as regras dos fundos de participa√ß√£o dos munic√≠pios (FPM) e dos Estados (FPE).

A maior pol√™mica estava na emenda, que ficou conhecida como ‚Äúemenda Ibsen‚ÄĚ, de autoria dos deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Humberto Souto (PPS-MG), que imp√Ķe uma nova distribui√ß√£o dos royalties ‚Äď tanto dos contratos de concess√£o quanto os do pr√©-sal, para que todos os Estados e munic√≠pios recebam segundo as regras dos fundos de participa√ß√£o dos munic√≠pios (FPM) e dos Estados (FPE). A proposta da emenda √© que 50% dos recursos sejam destinados √† Uni√£o e a outra metade seja repartida com todos os Estados e munic√≠pios, incluindo os n√£o produtores.

Diferenças entre as propostas para os royalties do petróleo (clique na imagem para uma melhor visualização). Fonte: Editoria de Arte/G1.

Como fica a distribuição para o Rio de Janeiro.

Fonte: Revista Veja, 7 de abril, 2010, p. 91. Colaboração da Profa. Helceny Cristina Fonseca.

Royalty √© o valor pago ao detentor de uma marca, patente, processo de produ√ß√£o, produto ou obra original pelos direitos de sua explora√ß√£o comercial. Os detentores dos royalties recebem porcentagens das vendas dos produtos produzidos com o concurso de suas marcas ou dos lucros obtidos com essas opera√ß√Ķes. No caso dos royalties do pr√©-sal, trata-se de compensa√ß√£o financeira paga aos Estados e munic√≠pios pela explora√ß√£o desses produtos em dep√≥sitos localizados em terra ou na plataforma continental.

Você sabia que o principal imposto estadual não incide sobre o petróleo, porque a Constituição de 1988 estabeleceu que só os estados consumidores é que podem cobrar, mas todos os outros produtos do Brasil são cobrados pelo estado de origem, exceto o petróleo. E isso aí tem uma desvantagem enorme, compensada pelos royalties.

Esse texto √© um resumo/adapta√ß√£o dos v√°rios artigos contidos no site http://diariodopresal.wordpress.com/ idem para as imagens. O tr√™s √ļltimos par√°grafos foram retirados do UOL not√≠cias – pol√≠tica, 11/03/2010 em http://noticias.uol.com.br/politica/2010/03/10/camara-aprova-projeto-sobre-royalties-do-pre-sal.jhtm

49 thoughts on “Entenda o Pr√©-sal

  1. Ol√° professor,

    Primeiramente gostaria de parabeniz√°-lo pelo conte√ļdo do blog. √Č realmente muito interessante e √ļtil para n√≥s, alunos, que devemos sempre estar ‘sintonizados’ com os acontecimentos do mundo.

    Entretanto, ao ler esse texto, fiquei intrigada quanto ao possível impacto ambiental que a exploração da camada de pré-sal pode gerar. Se possível, gostaria que o senhor pudesse me falar mais a respeito desse ponto, visto que na maioria das notícias são mostrados apenas os aspectos positivos.

    Seria possível que a retirada da camada de pré-sal resultasse em tsunamis ou em fortes terremotos aqui no Brasil?

  2. Oi Isadora,
    Obrigado pela abordagem. A ideia é que ajude vocês nos assuntos mais atuais da geografia e outros temas pertinentes.
    Não se preocupe, pois vamos discutir em sala todo o histórico do processo petrolífero no Brasil até chegarmos ao Pré-sal e falaremos sim dos impactos ambientais e da busca de novas matrizes energéticas (já tenho outro texto sobre isso para publicar aqui dentro em breve).

    Quanto √† pergunta final, n√£o √© poss√≠vel que a retirada do Pr√©-sal cause terremotos/tsunamis aqui no Brasil, pois essa atividade tect√īnica s√≥ acontece nos limites das placas e estamos no meio da placa Sulamericana, portanto, temos uma estabilidade tect√īnica (o m√°ximo que acontece aqui s√£o pequenos tremores por diferen√ßa na densidade de rochas muito antigas).
    Veja sobre esse assunto de placas tect√īnicas aqui http://marcosbau.wordpress.com/tectonica-das-placas/

    Até a próxima aula :)

  3. Professor, o vídeo da Petrobrás fala que o pré-sal fica DENTRO da bacia de Campos, na área de tupi. Porém, logo acima, o senhor afirma no texto que o petróleo da bacia de campos é mais pesado que o do pré-sal, que também fica na bacia de Campos. você também colocou isso no simulado, na qestão 45. Queria saber se o vídeo está errado ou se a questão que estava errada, e também a página em que encontro isso no livro.

    • Andr√©, muito importante e pertinente a sua pergunta. Vamos √† resposta!
      O video, a quest√£o e o texto est√£o certos, pois a Bacia de Campos √© a √°rea geogr√°fica que est√£o situados po√ßos de petr√≥leo do p√≥s-sal e do pr√©-sal, portanto, encontram-se na mesma √°rea, mas em camadas diferentes (uma est√° no m√°ximo a 2 mil metros – p√≥s-sal de petr√≥leo pesado e a outra est√° de 5 a 7 mil metros – pr√©-sal de petr√≥leo leve e de melhor qualidade). O petr√≥leo do pr√©-sal est√° localizado nas Bacias de Santos, Campos e Esp√≠rito Santo (regi√£o litor√Ęnea a 300km da costa entre os estados de Santa Catarina e o Esp√≠rito Santo).
      Espero ter sanado a sua d√ļvida!

  4. Caro professor Marcos, adorei o site, muito bem estruturado, com informa√ß√Ķes confi√°veis e faceis de achar. A √ļnica resalva √© quanto ao esquema de cores utilizado no layout. O fundo preto com letras brancos √© cansativo aos olhos, pois produz um contraste n√£o muito farov√°vel a leitura. Caso possivel, seria legal mudar o design do blog , colocando cores menos contrastantes.

    Até mais,
    Teógenes

    • Obrigado Teogenes. Quanto ao layout, a ideia inicial foi sair do trivial inclusive das cores com textos resumidos ao m√°ximo e estava publicando cores fortes como amarelo, mas n√£o estou mais. Note que a base √© cinza para cansar menos a vista.

  5. Obrigado pelas informa√ß√Ķes, professor :) De fato √© muito √ļtil esse blog, n√£o s√≥ para mim mas tamb√©m para todos os interessados na √°rea de geologia. Finalmente ficou clara essa hist√≥ria dos royalties para mim. Obrigado novamente, vou passar a acompanhar suas postagens de agora em diante :) Grande abra√ßo

  6. Professor, quando a tecnologia brasileira conseguir retirar a maior quantidade possível de petróleo, o quanto nossa economia irá melhorar e mais ou menos quanto tempo levará ?

    • Segundo o pr√≥prio governo o tempo estimado para estarmos com ‘for√ßa total’ na explora√ß√£o do Pr√©-Sal √© de aproximadamente uma d√©cada Gabriel.
      Quanto √† melhora na economia, que vai haver tenha certeza, mas n√£o podemos arriscar um n√ļmero porque isso depende da comprova√ß√£o de toda a quantidade de barris de petr√≥leo que existem l√° embaixo (por enquanto comprovamos 14 bilh√Ķes de barris), quanto somam os gastos de extra√ß√£o, al√©m do pre√ßo no mercado internacional (hoje oscila entre US$ 65 e 75).
      Obrigado pela pergunta e espero ter sanado sua d√ļvida!

  7. Professor,

    Tenho algumas d’uvidas e se vc puder me ajudar…
    Queria saber sobre a consistência do petróleo,no pré-sal e pós-sal?E antes o petróleo era explorado em qual camada?

    • Daniele,
      A consist√™ncia que voc√™ escreve √© o grau API (sigla de American Petroleum Institute, que estabelece uma medida internacional de qualidade do petr√≥leo), por essa medida, quanto maior a grada√ß√£o, melhor a qualidade do petr√≥leo. No caso do Campo Tupi no Pr√©-sal o API √© de 28¬ļ que significa boa qualidade do √≥leo, pois no refino gera mais derivados (como gasolina e diesel). Isso n√£o significa que todo o petr√≥leo do Pr√©-sal tenha o mesmo grau.
      Por exemplo: o campo Jubarte tamb√©m situado no Pr√©-sal √© menos profundo e tem um API de 17¬ļ.
      Al√©m do Pr√©-sal o petr√≥leo √© perfurado na camada P√≥s-sal. Para voc√™ entender melhor note a defini√ß√£o do porque Pr√©-sal retirada do blog da Petrobras: ‚Äú‚Ķos ge√≥logos tem uma l√≥gica peculiar. Estudam a hist√≥ria do planeta de baixo para cima, pela sedimenta√ß√£o das suas rochas‚ĶO que est√° por baixo √© mais velho do que o que est√° por cima, por isso √© pr√©. P√≥s-sal √© tudo o que est√° acima da camada de sal..‚ÄĚ

      Veja esse link e ao passar os slides clique em info que ir√° te ajudar.
      http://www2.petrobras.com.br/ri/port/DestaquesOperacionais/ExploracaoProducao/CampoTupi.html

      Espero ter sanado a sua d√ļvida.

          • Professor..estou precisando fazer um trabalho para a minha p√≥s sobre o pr√©-sal,mas nada de ‚Äúfuturismo‚ÄĚ, preciso pesquisar fatos. Poderia me ajudar com algumas perguntas ou me orientar aonde eu posso achar essas quest√Ķes?

            1- quais s√£o as outras regi√Ķes do mundo em que existem jazidas igualmente caracteriz√°veis como pr√©-sal (e o que est√° sendo extra√≠do).

            2 -Tenho escutado falar que o campo de Carmópolis (Sergipe) é considerado pré-sal.

            3- Outras empresas como a Shell e a Devon já tiveram experiência com esse tipo de perfuração em águas profundas..quero saber como q foi.

            Obrigada mais uma vez!

  8. Daniele,
    Para uma pós, minha recomendação é que você converse com seus professores que tratam com mais profundidade do assunto, pois a área que dou aula para graduação e pós está no cerne da geografia urbano-regional e geopolítica.

    1.Pelo que sei das suas perguntas, depois do Brasil ter descoberto o Pr√©-sal, algumas das maiores empresas petrol√≠feras do mundo se interessaram pelas regi√Ķes da costa oeste africana e Golfo do M√©xico, pois segundo pesquisas existe petr√≥leo na camada Pr√©-sal desses lugares (√© bem poss√≠vel, pois se voc√™ analisar a Pangeia que come√ßou a se separar na era mesozoica h√° 200 milh√Ķes de anos, chega-se √† l√≥gica segundo ge√≥logos de um campo que estendia-se de PE a SC).

    2.O campo de Carmópolis ERA na camada Pré-sal, desde períodos geológicos anteriores não é mais.

    3. D√° uma lida nesse artigo contido no http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:OBsCVCnYS-UJ:www.tnpetroleo.com.br/download.php/revista/download/i/289/nome/TN66_Especial:_Brasil_e_Reino_Unido.pdf+Shell+e+a+Devon+j%C3%A1+tiveram+experi%C3%AAncia+com+perfura%C3%A7%C3%A3o+no+pr%C3%A9-sal&hl=pt-BR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESjrWOT0Zt3i4s2HYf5T1S1s-EkRKYBP2QSquUF8w9XbURY2oWQ2poizeNinQris2zjd1-wMNHHhjfr4Z0FDLTtqbZcFpVSNCgcO1gR-vQw2kiHO6UYdwbzsHQlbGmbGruq6oc73&sig=AHIEtbSxSX4SuEgztxKNQQxYlER4GRnvqg

  9. Depois da “bagaceira” da corre√ß√£o de provas, coloca aqueles gr√°ficos legais sobre os “royalties” do petr√≥leo. O Blog est√° cada vez melhor!

    • Eu √© que agrade√ßo Lucas, pois o diariodopresal.wordpress.com me atualiza com dados que passo em sala sobre petr√≥leo.
      Está marcado nos meus favoritos seu blog sobre geografia e geopolítica que lerei com calma. Desde já agradeço 2 vezes. Por ter descoberto esse canal de leitura (assim como muitos outros de nossos colegas!) e pela citação do nosso blog GeoBau.
      Abraço

  10. professor gostaria de saber se apos algum tempo a camada de sal do petroleo pode aquecer, derreter e prejudicar as ecavação

    • A camada de sal √© inst√°vel Filipe, isto √©, ap√≥s a perfura√ß√£o ela pode se fechar novamente, e isso pode prejudicar a perfura√ß√£o. Por isso que a Petrobras estimou para 2013 a perfura√ß√£o dos po√ßos mais profundos (requer investimentos iniciais aproximados em 800 milh√Ķes de reais).
      Espero ter sanado a sua d√ļvida.
      Até

  11. Bom dia

    Existe alguma bilbiografia (livro), sobre o assunto?

    Estou niciando um trabalho, que obrigatoriamente tennho que ler um livro sobre o assunto, e hoje com a tecnologia, o que mais consegui foram sites, poderia me indicar um livro.

  12. Oi Marcos, gostei muito do seu texto, √© realmente bem completo e abrangente. Eu s√≥ teria uma pergunta, que n√£o foi totalmente respondida no texto: quais s√£o os poss√≠veis benef√≠cios econ√īmicos ou vantagens do pr√©-sal para a Am√©rica Latina?
    Obrigada!

    • Ol√° K√©ldie,
      Para a Am√©rica Latina a import√Ęncia principal do pr√©-sal est√° no campo geopol√≠tico, pois com a estrat√©gia de coopera√ß√£o entre os pa√≠ses atrav√©s de blocos regionais (Mercosul, Unasul, Comunidade dos Estados Latino Americanos e Caribenhos etc.) a Am√©rica Latina vai figurar com maior poder no tabuleiro geopol√≠tico mundial e essa lideran√ßa ser√° certificada ao Brasil, j√° que as reservas pertencem ao nosso pa√≠s.

      Espero ter ajudado e eu é que agradeço a visita.

  13. Ol√° Professor,gostei muito do seu site parab√©ns!Eu gostaria de esclarecer uma d√ļvida, e que estou fazendo um trabalho sobre pre sal,gostaria de saber o q seria os recursos tangiveis e intagiveis do pre sal?
    desde j√° obrigada

    • Eu √© que agrade√ßo o coment√°rio Carol!
      Recursos tang√≠veis no caso do pr√©-sal s√£o o petr√≥leo que ser√° extra√≠do e os derivados que podem gerar e intang√≠veis s√£o recursos ligados a tudo que n√£o √© materializ√°vel como royalties, marcas e patentes, a√ß√Ķes, etc.

  14. Muito obrigada por escrever essas informa√ß√Ķes que os livros e alguns sites confundem mais a cabe√ßa das pessoas!
    me ajudou muito em meus trabalhos da escola! ;)

  15. N√£o sabia que o mar, que fica na costa brasileira, √© somente dos capixabas e cariocas. Como diria o cara aquele: Isto √© uma vergonha! O pr√© sal est√° localizado a mais de 300 km da costa brasileira e estes caras de paus dizem ser deles, ora v√£o se catar!!!! Espero que os pol√≠ticos de outros estados n√£o nos decepcionem. √Č √≥bvio, natural e cristalino que os ROYALTIES ter√° que ser dividido entre todos os brasileiros. ‚ÄĒ- Pelotas-RS

  16. Ol√° professor. Excelente o seu texto.
    Será que o Senhor poderia me ajudar com três perguntas?

    1- Destacar alguns aspectos positivos sobre a descoberta da camada pr√© sal para o crescimento econ√īmico do Brasil.

    2- Eu li algumas coisas sobre a Petr√≥bras querer sumir com o CO2 da camada pr√© sal. √Č verdade isso?

    3- Para o Senhor quais aspectos negativos da camada pré sal para a sustentabilidade ambiental?

    Agradeço muito, e sempre de olho no seu site.

    No aguardo!

  17. Boa noite, professor fiquei muito surpreso em encontrar um site que trata t√£o bem a geografia, uma vez que s√≥ queria tirar uma d√ļvida. Sou formado em Hist√≥ria, vou iniciar uma gradua√ß√£o em geografia e este site vai me ajudar muito.

    at√© a pr√≥xima…

  18. Ol√° professor, gostei muito do texto, foi muito √ļtil para concluir uma tarefa do p√≥s que estou fazendo. Inclusive, a tarefa √© a mesma que uma menina citou a√≠ com 3 quest√Ķes aheheh.
    Adorei achar este blog, estarei sempre ligada.
    Abç

  19. Professor, boa tarde.
    A exploração do Petróleo do Pre-sal é realizada somente com tecnologia brasileira?

    Abraço e parabéns pelo trablaho realizado.

Deixe uma resposta