Orientação, Fusos Horários, Solstícios, Equinócios e Coordenadas Geográficas


A Terra

O diâmetro da Terra é ligeiramente achatado nos pólos e abaulado na porção equatorial, e esse formato deve-se ao processo de solidificação do magma para a formação da crosta terrestre, combinado com a força centrífuga do movimento de rotação. Tal formato é denominado de geóide.

Orientação

Em uma figura conhecida como rosa-dos-ventos (veja abaixo) são indicados rumos divididos em 4 Pontos Cardeais, 4 Pontos Colaterais e 8 Pontos Sub-Colaterais mostrados a seguir, assim como, decifrados os nomes das siglas dos referidos pontos. Entre os pontos cardeais o azimute é de 90º; entre um ponto cardeal e um ponto colateral o azimute é de 45º; e entre um ponto cardeal ou colateral e um ponto subcolateral o azimute é de 22,5º.

*Azimute é a medida angular entre o norte geográfico e a intercessão do brilho de uma estrela (medida em graus entre os pontos da rosa dos ventos).

Pontos cardeais
  • ou L: este ou leste
  • N: norte
  • O ou W: oeste
  • S: sul
Pontos colaterais
  • NE: nordeste
  • NO ou NW: noroeste
  • SE: sudeste
  • SO ou SW: sudoeste
Pontos subcolaterais
  • ENE: lés-nordeste ou leste nordeste
  • ESE: lés-sudeste ou leste sudeste
  • SSE: su-sudeste ou sul sudeste
  • NNE: nor-nordeste ou norte nordeste
  • NNO/NNW: nor-noroeste ou norte noroeste
  • SSO/SSW: su-sudoeste ou sul sudoeste
  • OSO/WSW: oés-sudoeste ou oeste sudoeste
  • ONO/WNW: oés-noroeste ou oeste noroeste

Movimento de Rotação da Terra e os Fusos Horários

Movimento que a terra executa ao redor de si própria, ou ao redor do seu eixo imaginário, no tempo de aproximadamente 24 horas (influencia diretamente na composição dos dias e noites e cálculo dos fusos horários mundiais através dos meridianos – assunto abordado adiante).

Com base no movimento de rotação, ao girar, a Terra expõe ao Sol a esfera terrestre, que tem 360º de circunferência (180º para Leste e 180º para Oeste). Considerando que o nosso planeta leva 24 horas para realizar seu movimento de rotação, veremos que, a cada hora, o Sol ilumina uma faixa de 15º na superfície terrestre (360º : 24 = 15º). Essas faixas são chamadas de fusos horários e seguindo essa lógica, cada 15º representam 1 hora.

Veja no vídeo o movimento de rotação da Terra que gira em torno de si mesma de oeste para leste a 463 metros por segundo na linha do Equador.

Adotou-se como fuso de referência o meridiano de Greenwich (GMT) em Londres, para iniciar a hora oficial mundial. Como a Terra gira de Oeste para Leste, vemos o Sol primeiro a Leste. Portanto, as horas estão sempre adiantadas no sentido Leste, diminuindo para Oeste. Cada fuso a Leste de Greenwich indica uma hora a mais, e cada fuso a Oeste, uma hora a menos.

O meridiano escolhido para dar início à contagem de um novo dia foi o de 180º (o antimeridiano internacional), que é considerado a linha internacional de data, pois nele se processa a mudança de um dia para outro. Foi escolhido um lugar pouco habitado, pois se um viajante cruzar essa linha no sentido Oeste-Leste (tomando-se por base de orientação os hemisférios cortados por Greenwich), ele deve acrescentar um dia (24 horas) à data atual e, se cruzá-la no sentido Leste-Oeste (tomando-se por base de orientação os hemisférios cortados por Greenwich)*, deve subtrair um dia (veja na figura que segue).

*Foi posto o conteúdo entre parêntesis, pois caso você leve em conta a direção percorrida pelo barco, por exemplo, do Japão para o Havaí (nesse caso, de oeste para leste), ao atravessar a LID terá que diminuir um dia.

Linha Internacional de data. Note que no lado oeste o dia é anterior ao dia do lado leste.

Fusos Horários do Brasil

Até 24 de abril de 2008, o Brasil possuía 4 fusos horários, mas a partir da sanção da lei nº 11.662, pelo Presidente Lula, passou a ter 3 fusos (como mostrado na figura de mudanças no fuso horário brasileiro). O fuso oficial continua sendo o de Brasília (45º Oeste de Greenwich) com três horas a menos que o meridiano de Greenwich envolvendo os Estados do Sul, Sudeste, Goiás no Centro-Oeste e Pará, Amapá e Tocantins no Norte. Os outros Estados da Região Norte (Amazonas, Roraima, Acre e Rondônia), assim como Mato Grosso e Mato Grosso do Sul no Centro-Oeste fazem parte do fuso que possui quatro horas a menos que Greenwich e uma hora a menos que Brasília (veja figura).

O Brasil do Horário de Verão

Com a entrada do horário de verão, o Brasil mantém seus três fusos, mas muda a disposição deles, pois as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste adiantam o relógio em uma hora. A medida provoca uma importante redução no consumo de energia (uma média de 5% nos horários de pico). Os estados das regiões Norte e Nordeste não sofrem alteração (Guia do Estudante: geografia. Acertando os ponteiros. São Paulo: Editora Abril, 2009, p. 99).

O Brasil é o único país equatorial que adota o horário de verão. No entanto isso só ocorre em função da grande extensão latitudinal (norte-sul) do país pois nenhum estado muito próximo ou cortado pela linha do equador adota o horário especial. Observe o mapa que mostra os países que adotamjá adotaram ou nunca adotaram o horário de verão. Fonte: http://conceitosetemas.blogspot.com/2008_10_01_archive.html

Movimento de Translação da Terra e os Solstícios e Equinócios

Translação é o movimento que a Terra executa (juntamente com todos os planetas do nosso sistema) ao redor do Sol. O tempo que a Terra leva para efetuar este movimento é de aproximadamente 365 dias e 6 horas (soma-se essas 6 horas ao acrescentar o dia 29 de fevereiro nos anos bissextos – de 4 em 4 anos).

A órbita da Terra é elíptica e isso faz com que exista um momento em que a terra esteja mais próxima do Sol (o periélio no dia 31 de dezembro), e um momento em que ela está mais afastada (afélio no dia 8 de julho). O eixo imaginário da Terra inclina-se em relação ao plano da elíptica em 23º 27’ (veja figura abaixo).

O movimento de translação influencia diretamente nas estações do ano tornando-as opostas, nos hemisférios opostos, ou seja, quando é verão no Hemisfério Norte, é inverno no Hemisfério Sul, assim também acontece com a primavera e o outono (na figura anterior note que a inclinação terrestre está mais voltada para os raios solares penetrarem em uma maior área do hemisfério sul marcando o início do solstício de verão nesse hemisfério e solstício de inverno no hemisfério norte).

Veja vídeo explicativo do movimento de rotação abordado em tópico anterior e do movimento de translação influenciando os solstícios e equinócios abordados nesse tópico.

Quando a perpendicularidade com que os raios solares atingem a Terra estiver sobre a linha do Equador, os dias e as noites são iguais em todos os pontos da terra. A esta posição, denominamos equinócio (21 de março e 23 de setembro). Ele só pode ocorrer na primavera e no outono (ver figura que segue).

Quando a perpendicularidade dos raios solares sobre a Terra estiver sobre um dos trópicos (Câncer ou Capricórnio) os dias e as noites serão desiguais em todo o planeta, apresentando uma diferença máxima entre eles. Esta posição é denominada solstício e só pode ocorrer no verão ou no inverno (21 de junho ou 21 a 23 de dezembro).

A perpendicularidade dos raios solares sobre a Terra jamais ultrapassa as linhas dos trópicos. É por esse motivo que a região intertropical é a mais aquecida do planeta. Nas regiões polares, durante o período de verão acontecem os dias polares, período em que a noite não aparece por vários meses seguidos e durante os meses de inverno o fenômeno se inverte aparecendo as noites polares, onde o Sol não aparece durante meses seguidos.

Figura meramente ilustrativa e adaptada pelo autor onde as dimensões da Terra e do Sol não equivalem às dimensões reais. Fonte: arquivo pessoal do prof. Marcos Brandão.

Círculos Convencionais ou Linhas Imaginárias

Para a localização de qualquer ponto sobre a superfície do Globo, foi estabelecido um sistema de linhas imaginárias denominadas paralelos e meridianos, isto é, as coordenadas geográficas.

Coordenadas geográficas são linhas imaginárias pelas quais a Terra foi “cortada”, essas linhas são os paralelos e meridianos, através dos paralelos e meridianos é possível estabelecer localizações precisas em qualquer ponto do planeta.

As linhas imaginárias são importantes para a localização em qualquer ponto do planeta a partir das coordenadas geográficas. A figura destaca o paralelo 0º (equador) e o meridiano 0º (Greenwich). Fonte: arquivo pessoal do prof. Marcos Brandão.

Se preferir veja vídeo que segue sobre coordenadas geográficas para entender melhor os paralelos e meridianos.

Nas coordenadas geográficas existem alguns pontos que apresentam tipos de simetrias latitudinais e longitudinais, e são denominadas de antecos (pontos no mesmo meridiano, mas em paralelos opostos), periecos (pontos no mesmo paralelo, mas em meridianos opostos) e antípodas (pontos em paralelos e meridianos opostos).

Os Paralelos, a latitude e as Zonas Climáticas

Paralelos são círculos paralelos à linha do Equador e que diminuem de comprimento à medida que nos afastamos dessa linha. O Equador é o círculo máximo que divide a Terra em hemisférios latitudinais Norte, setentrional ou boreal e Sul, meridional ou austral.

Os paralelos determinam a distância em graus, entre qualquer ponto da superfície da Terra e a linha do Equador (coordenadas geográficas), o que se dá o nome de latitude com variação de 0º a 90º.

Esses círculos delimitam as zonas climáticas dependendo da inclinação com que os raios solares atinjam a Terra e entre os paralelos existem os trópicos e os círculos polares.

Os trópicos são linhas localizadas a 23º27’30”. No Norte existe o Trópico de Câncer e no Sul o Trópico de Capricórnio. Entre os trópicos de Câncer e Capricórnio encontra-se a zona climática mais quente do globo, intitulada tórrida, tropical ou equatorial.

Os círculos polares são linhas localizadas a 66º32’30” a Norte e a Sul do Equador e correspondem às linhas a partir das quais acontecem os fenômenos climáticos mais frios. No Norte o Círculo Polar Ártico e no Sul o Círculo Polar Antártico. Além dos círculos polares encontra-se a zona das mais baixas temperaturas do globo, intitulada fria ou polar.

As zonas climáticas temperadas encontram-se entre os trópicos e os círculos polares – temperada do norte, entre o trópico de Câncer e o círculo polar Ártico, e temperada do sul, entre o trópico de Capricórnio e o círculo polar Antártico.

Você sabia que no Pólo Norte o sol se põe no começo de outubro? E que a aurora seguinte acontece em março? Entre essas duas datas, um crepúsculo constante se mantém enquanto a Terra gira. O fenômeno inverso acontece no Pólo Sul.

Os paralelos e a delimitação das Zonas Climáticas do Globo. Fonte: arquivo pessoal do prof. Marcos Brandão.

Os Meridianos, a longitude e seus Fusos Horários

Meridianos são semi-círculos que combinados com o seu antimeridiano, ou meridiano oposto, dividem a Terra exatamente ao meio e que se encontram sempre em dois pontos iguais (os pólos Norte e Sul). Como os meridianos tem a mesma dimensão, foi escolhido, por convenção, o meridiano de Greenwich (0º) que divide a terra em dois hemisférios: Leste ou Oriental e Oeste ou Ocidental.

Os meridianos determinam a distância em graus entre um ponto qualquer situado sobre a superfície da Terra e o meridiano de Greenwich (coordenadas geográficas). Os meridianos determinam a longitude e esta possui uma variação de 0º a 180º, como abordado anteriormente na matéria de Fusos Horários.

136 thoughts on “Orientação, Fusos Horários, Solstícios, Equinócios e Coordenadas Geográficas

    • Longitude define os meridianos que são divididos em 180º para cada hemisfério. Como o dia tem 24 horas, dividiu-se os 360º da esfera terrestre por 24 encontrando 15º para cada hora do dia tendo como meridiano principal Greenwich.

    • Obrigado Eduardo!
      Existem três regras básicas para o cálculo de fusos horários:
      (1) para calcular a diferença entre os fusos de duas localidades – no mesmo hemisfério subrai os graus e dividimos por 15º; em hemisférios diferentes somamos os graus e dividimos por 15º
      (2) verificar a direção do deslocamento da viagem. pois para Leste as horas sempre aumentam e para Oeste diminuem.
      (3) Horas gastas na viagem, conexão ou escala sempre são somadas à hora da localidade de destino.
      Prestando atenção a essas regras básicas, o que resta é interpretar o enunciado da questão.

  1. Estava precisando de mais informações sobre osmovimentos de rotação e translação, outros aspectos referentes ao contexto e fuso horários. Adorei esse material e pretendo usá-lo na sala. Muito bom mesmo.

  2. Saudações professor, eu as vezes passo aqui quando estou sem nada pra fazer, leio algumas coisas e saio, eu faço isso porque adoro lugares com fontes confiáveis, valeu professor por criar esse blog usando tanto de seu tempo e ainda por cima responder todos os comentários.

    O Nordeste vai dominar o mundo!

  3. Boa noite professor,
    estou com uma dúvida sobre os movimentos da lua. Vi em alguns sites que revolução da lua é o movimento em torno da terra e outros que é o movimento em torno do sol, enquanto a translação é o contrário! Por favor qual é o correto???
    Obrigado!

    • Olá Marcos,
      Conforme o Departamento de Astronomia do Instituto de Física da UFRGS em http://astro.if.ufrgs.br/lua/lua2.htm “A Lua tem três movimentos principais: rotação em torno de seu próprio eixo, revolução em torno da Terra e translação em torno do Sol junto com a Terra, mas existe também um pequeno movimento de libração.”

  4. Prof. na figura que aparece a linha internacional da data os dias anterior(w) e seguinte(l) não estão invertidos?
    Seu blog é nota 10. Adorei

    • Obrigado Meire! Quanto à LID, as datas não estão invertidas, pois o sentido (leste/oeste e vice versa) do texto está pautado no Meridiano de Greenwich.

  5. Prezado adorei a apresentação gostyaria de poder apresentar em aula como faço para reproduzir este material
    desde ja agradeço no aguardo de posição
    abs parabens pela belissima explanação e apresentação com muita simplicidade e absoluto escarecimento

    • Obrigado Deborah!
      Para usar o conteúdo você tem que abrir em local de aula que tenha internet wireless ou de cabo e em local que não tem internet, você abre a página no laptop que o computador deixa salvo a página no cache.
      Travei o conteúdo para cópia por causa da quantidade de plágio.

  6. No comentario sobre a Linha Internacional de Data, acho que esta errado, você diz que de oeste para leste acrescenta um dia, mas, seria de leste para oeste que se acrescenta um dia, não?
    Pois no outro lado do globo, invertem-se os sentidos de leste para oeste. Assim penso eu né…

    • Cleverson,
      Acrescentei no texto a direção da diminuição e acréscimo do calendário tomando-se por base o Meridiano de Greenwich. Obrigado pelo comentário, pois como estava, não é que estivesse errado, mas tinha ficado confuso.

  7. Professor,
    Li seu texto e me confundi com a questão da LID. Está escrito que na direção Leste-Oeste, deve-se subtrair um dia. Entretanto, no livro de Geografia (estudo com o senhor no Sigma) diz-se que é necessário aumentar um dia. Sei que entre parênteses está escrito “tomando-se por base o Meridiano de Greenwich”, mas não entendi o sentido disso. E parabéns pelo blog, desde já, vejo que será de grande valia esse ano!
    Obrigado.

    • Lucas,
      Sua dúvida é muto pertinente. Pus tomando-se por base Greenwich para você se basear pelos hemisférios da Terra (Japão no hemisfério leste e Hawaii no hemisfério oeste – veja a figura). Se tomarmos por base o viajante que está atravessando a linha aí o processo se inverte (como está no seu livro) que também não está errado, ou seja, depende do ponto de referência que você use para delimitar do que é leste e oeste.
      Espero ter ajudado, mas se ainda tiver em dúvida, como você tem aula comigo, me pergunta lá no Sigma.
      Abraço!

      *Veja que pus um asterisco explicando isso no texto para facilitar.

Deixe uma resposta