Para adquirir o livro do administrador, A geografia antes da Geografia: a Terra, o sapiens e a ciência – clique aqui 

Para acessar artigo do autor sobre Geografia Escolar publicado na Revista Brasileira de Educação em Geografia da Unicamp/SP – clique aqui

Caros Leitores,

O estudo da geografia é objetivado via cinco conceitos-chave que guardam entre si forte grau de parentesco, pois todos se referem à ação humana modelando a superfície terrestre: espaço, paisagem, região, lugar e território.

O espaço geográfico como conceito maior é tido nos posts deste blog como locus da reprodução das relações sociais de produção, isto é, o espaço da morada do homem, reflexo e condição social, experienciado de diversos modos, rico em simbolismos e campo de lutas, tornando-se cada vez mais multidimensional.


Mostramos nos textos que a tarefa inicial do geógrafo é tornar o conceito maior da disciplina, o espaço, assim como seus outros quatro conceitos-chave, de fácil compreensão, decifrando-os quando se revelam as práticas sociais dos diferentes grupos que nele produzem, circulam, consomem, lutam, sonham, enfim, vivem e fazem a vida caminhar…

A geografia enquanto disciplina estuda a sociedade através da espacialidade das relações sociais e suas territorialidades, assim como as modificações que o homem imprime na natureza, no intuito de modificar a realidade que o cerca pela via de uma maior inserção social.

Portanto, a realidade do conteúdo geográfico transcende a simples visualização do concreto da paisagem. Isso porque, na real concepção atual de Geografia: a) o espaço é indissociável da noção de tempo; b) a visão antropocêntrica da Geografia considera o Homem ser social, o que nos obriga à consideração de todo o conjunto complexo que é a realidade humana, em suas diferentes dimensões: social, econômica, política, cultural, enfim.

Adaptado de CORRÊA, Roberto Lobato. Espaço: um conceito-chave da geografia. In: CORRÊA, R. L. (e outros orgs.). Geografia: conceitos e temas. 14ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2011 e MONTEIRO, Carlos Augusto Figueiredo. O real e o mítico na paisagem do Grande Sertão. In: MARANDOLA, E.; GRATÃO, L. H. B. (orgs.). Geografia & Literatura: ensaios sobre geograficidade, poética e imaginação. Londrina: EDUEL, 2010.

Imagem do cabeçalho GEOBAU – parte de globo terrestre do Museu da Arte Histórica do castelo Milão de Sforzesco, Itália. Foto: Marcos Brandão em jul 2009.

Matérias sobre redes sociais ligadas ao autor deste blog: Correio Brasiliense em 2011  e Correio Brasiliense em 2012 – Entrevista do autor do blog ao Portal Wohub e Jornal Campus da FaCom, UnB.

Os textos desse Blog estão pautados na Lei Federal 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 (Direitos Autorais):

Título II: das obras intelectuais – Capítulo IV (Das Limitações aos Direitos Autorais), Art. 46. inciso III afirma que “Não constitui ofensa aos direitos autorais: a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor e a origem da obra”.
Fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9610.htm

Este Blog atende ao que propõe a Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Diretrizes e Bases da Educação Nacional) que em seu Capítulo II, seção I, Art. 22 afirma que: A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar- lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores.

254 ideias sobre “

  1. Professor, o blog é ótimo, parabéns (:
    Mas o que eu precisava mesmo era de ajuda na materia do Washington, tem algum livro ou site que poderia me ajudar?
    vlw

  2. seu site tá ótimo professor, muito bem organizado. Queria que todos os professores seguissem seu exemplo pois o livro não trata os assuntos principais da prova com tanta profundidade como este site. Acredito que todos do 2º B agradecem a sua iniciativa. Valeu Brandão!!

  3. Professor, percebe-se que o senhor tem como ofício algo de que realmente gosta e em que está sempre se esforçando para tornar-se melhor. Agradeço em nome de todos os alunos que este blog visitam e que as suas aulas assistam. Afirmo que o maior ganho é o do senhor, porque está sendo capaz de evoluir seus conhecimentos, auxiliar centenas de pessoas… e ainda ganhar dinheiro com isso… hahaha Parabéns pelo capricho e pela dedicação. Até mais.

    • Obrigado de coração pelas suas palavras Bianca.
      Você tem razão quando afirma que gosto do que faço e que tenho o objetivo de ajudar meus alunos (e outros alunos que aqui visitam e não são meus), pois com eles aprendo a cada dia mais e as publicações daqui me “obrigam” a estar sempre atualizado nas minhas aulas. Realmente é um ganho muito grande das duas partes (docente/discente).
      Quanto ao assunto dinheiro com o blog… hahaha! A gargalhada é grande e inversamente proporcional aos ganhos, pois acredite que não recebo nada por isso. O que me faz postar cada vez mais é a satisfação de ajudar, ver vocês crescendo criticamente a cada dia e, muitas vezes, escrevendo aqui parágrafos como esse que me faz emocionar e sentir que está valendo a pena!
      Até mais e agradeça a todos os seus colegas “que este blog visitam e que as [minhas] aulas assistem”.

  4. 0i Professor .
    Gostaria de saber para colocar em meu trabalho, Quais são as consêquencias de um vazamento de um vulcão ?
    Agradeço se puder me ajuda o quanto antes. Obrigada !

    • Olá Jennifer,
      Quando falamos em atividade dos vulcões, o mais apropriado é chamar esse ‘vazamento’ de erupção vulcânica.
      Quanto às consequências, vai desde tremores de terra no caso de erupções causadas pelo atrito entre placas tectônicas, poluição devido à quantidade de gases emitidos na região afetando populações no entorno regional do vulcão (muitas vezes tendo que ser retirada essa população local), até a interrupção dos voos nos aeroportos (caso recente da Islândia) significando um prejuízo de milhões de dólares para as companhias e atividades diretamente (e indiretamente) ligadas a esse tipo de transporte.
      Espero ter ajudado tão rápido como você pediu!
      Agradeço a visita.

      risco de morte devido o calor emitido pela fumaça e pela lava;
      4 –

  5. Magina.
    Eu que agradeço por ter me ajudado, pois tenho que entregar esse trabalho rapido, tem muitas coisas aqui que no google não tem, ou não se acha corretamente.
    O bom que achei o site seu 🙂 hehe

    Aproveitando e desculpa o incomodo!
    – Qual os riscos ambientais relacionados á Geologia ocorrem somente em virtude de catástrofes que resultam de atividades vulcânicas e terremotos ?

    -No Brasil algum dia, estamos sujeitos a eventos catastróficos. Como terremotos devastadores e erupção vulcânicas perigosa ?

    • Então já que gostou divulga e vota no top blog! As respostas para suas perguntas…

      Riscos ambientais relacionados à geologia imediatos à erupção vulcânica estão ligados a degradação do solo.
      No Brasil não há possibilidade de catástrofes tectônicas pelo país estar situado no centro-oriental da placa Sul-Americana.

  6. vc nasceu em brasília…nossa escola está promovendo uma semana cultural em dezembro …e a nossa equipe tem que encontrar a biografia de um escrito nascido em brasilia…estamos tendo a maior dificuldade em encontrar.. estamos anciosos por sua resposta…caso vc não tenha nascido..conhece algum… desde já agrdeço a atenção.

    • Obrigado pela visita, e respondendo a sua dúvida…
      Não nasci em Brasília Lorena, sou baiano de Salvador/Ba e estou morando na capital federal há 2,5 anos. Por ter pouco tempo aqui não tenho a pessoa que você procura para indicar.

  7. Prezado BAU,

    O que você tem achado dos recentes escândalos do PT, relativos a quebra de sigilo na receita, a prisão do governador e o caso da ministra da Casa Civil vinculado à Dilma? Não é muito escândalo em uma data próxima à eleição?

    • Oh meu caro amigo André Palmito. Satisfação encontrá-lo aqui!
      Quanto aos escândalos, apesar de estarmos acostumados – independente dos partidos que acontecem -, fico extremamente indignado e externo isso em sala para meus alunos, pois não devemos nunca achar que “é normal” a corrupção, mesmo porque sai do nosso bolso. Pago um montante de imposto que só faz aumentar minha revolta em relação a esses planos de poder político (seja PT/PMDB; PSDB/DEM) sem nenhuma ideologia.
      Quanto à eleição 2010 e os escândalos (Verônica Serra, governo do Amapá e Israel, filho de Erenice Guerra) só reflete o plano de poder que o PT planejou e está dando certo. Acredito que mesmo há três semanas da votação, isso não afeta a eleição de Dilma no 1º turno, pois a diferença no último tracking é de 32 pontos de diferença em relação a Serra (isso graças ao Lula fenômeno de aprovação, 79%). Para mudar isso (reforma política ampla, geral e massiva), nem o povo mais pobre, nem a grande maioria da classe média – que é extremamente desinformada – têm a politização necessária para discernir desde as alianças desastrosas, até tais acontecimentos que são apartidários, já que foram similares a acontecimentos em governos anteriores (independente da quantidade comparativa – No colarinho branco, quem rouba um quinhão, rouba um milhão. A diferença desses ladrões está na oportunidade para subtrair do erário).

      Espero ter respondido porque como sou do partido da honestidade e da correção, isso dá uma boa discussão.
      Abraço

      • A preocupação é de estarmos voltando no tempo, com planos de governos similares a de Joaquim Roriz e ACM, que se baseiam no populismo, mediante doação de lotes, esmolas, programas pão e leite e bolsa família, no qual nada do que é dito, informado e muitas vezes investigado, atingem ou diminuem a popularidade de tais governos. Ou seja, são tidos como deuses. Não há questionamentos. Um abraço.

  8. Mais uma vez agradeço a iniciativa de sintetizar o conhecimento que aprendemos nos livros de geografia em textos menores e de melhor compreensão, pelo menos na minha opinião.
    Aproveito a oportunidade para divulgar o meu blog, no qual falo de vários assuntos, mas ultimamente tenho dado preferência para a política 🙂 A todos que se interessarem -> http://gameiro-writer.blogspot.com/

    Gabriel, 3o E – Sigma Norte
    Abraço a todos.

    • No governo do PSDB/Serra o Bolsa Família continuará, e aumentará segundo o candidato. Portanto, isso é uma prerrogativa eleitoral que faz ganhar votos. Se fosse o contrário, o PSDB já estava usando esse vídeo em sua campanha.

  9. Eita professor arretado de bom !! já diz o adágio: “baiano não nasce, estreia” kkk . Agora o DF conhece e reconhece o valor de quem é capaz, de quem luta por novos saberes, de quem visualiza uma educação de qualidade. Pena que a Bahia perdeu esse gênio da Geografia!! Quem sabe o congresso ganhará um digno representante , é só esperar !!

    • Muitíssimo obrigado pelas palavras! Me orgulho muito da família baiana que tenho, tia Liginha!
      Nunca esqueço que a Bahia me deu régua e compasso e aqui estou no DF traçando o que verdadeiramente acredito para a educação.
      Beijos em todos aí

  10. Professor, o seu blog é realmente muito bom! Os flashes são ótimos para uma melhor compreensão do assunto e os textos auxiliam muito os meus estudos. Tem apenas 2 anos que eu passei a me interessar por Geografia e o seu blog (e, sem dúvida, as aulas da Cris também) me incentiva bastante! Principalmente a parte de Geopolítica! Continue assim. Visitarei sempre! O site já foi pros meus ‘favoritos’!

    • Desculpe Pedro, mas a maioria do conteúdo de tal texto – sem autor e com tradutor desconhecido – encaixa-se em um monte de bobagens ao comparar o governo petista como comunista/fascista (???) e achar que o aumento da dívida pública, a corrupção, a exportação de commodities e a falta de saneamento foi exclusividade do governo Lula. Sarney, Collor e FHC que o digam ou atirem a primeira pedra.
      Todos os governos desde a redemocratização em 1985 tiveram sérios problemas. Ainda estamos engatinhando na democracia, mas o caminho trilhado nos dá a certeza que estamos indo para frente (o Brasil é um dos países com a imprensa mais livre do mundo), não exclusivamente por causa de partidos políticos, e sim por uma série de fatores que fazem parte desse complexo processo.
      Quanto ao texto, não dê importância a cartas anônimas.
      Em tempo, os dados sobre analfabetismo estão incorretos, pois diminuiram no governo Lula.
      Abraço

    • Sim Matheus. A resposta dada estava ligada à desconfiança (maior da Grã-Bretanha) de que após a unificação alemã os Estados estariam sujeitos a uma “Europa Germânica”.
      Voltando um pouco na história para melhor entender, o Tratado de Maastricht (1993) atualizou o plano do Diplomata francês Jean Monet (que presidia a CECA) na década de 1950 (veja pág. 122 do livro), a partir do Plano Schuman que procurava exatamente uma trajetória de fusão das soberanias francesa e alemã, rompendo a lógica de conflito nacional que prevalecera até então (essa lógica conflituosa se dava pela disputa da soberania/liderança na europa). Foi uma resposta à reunificação porque pela via da fusão era prejudicial à Alemanha, pois “sacrificava o seu precioso marco [da reunificação] e o privilégio de uma afirmação autônoma na cena mundial no altar da aliança estratégica com a França” (MAGNOLI, 2008, p. 163).

      Referência:
      MAGNOLI, Demétrio. O mundo contemporâneo. 2.ed. São Paulo: Moderna, 2008.

    • Gabriel,
      Nas aulas dessa semana expliquei às minhas turmas o acontecimento que por aqui, mesmo que tente, não dá para te dar a total dimensão dessa invasão.
      Resumindo da forma mais simples, posso afirmar que o Estado não podia (nem pode) mais ficar refém do crime organizado, inclusive de comandos dados de dentro de presídios para aterrorizar a população.
      A resposta do Estado com a operação policial acontecida no Complexo do Alemão merece destaque porque a invasão foi a partir da estratégia de inteligência das polícias (militar, civil, bope, fuzileiros navais e exército), em disparar o mínimo de tiros possível para não atingir inocentes com balas perdidas. Mesmo assim, vários problemas estão acontecendo pelos abusos da polícia e informações escondidas pela Secretaria de Segurança do RJ (para entender melhor leia esse link http://mariafro.com.br/wordpress/?p=22087 ).
      Existem e existirão diversos problemas para o morador das favelas, mas com a instalação de UPPs (Unidades de polícia pacificadora) nas favelas tem dado certo.
      No Alemão, o mínimo da vida começa a andar novamente e serviços que não chegavam às ruas por causa do tráfico estão voltando à normalidade (limpeza da rua e coleta de lixo, entrega de encomendas, comércio local…). Portanto, mesmo com todos os abusos policiais acontecendo, podemos enxergar mais pontos positivos do que negativos do jeito que foi e está sendo condiuzida a operação.
      Para entender melhor o processo histórico do Complexo do Alemão segue link http://tinyurl.com/2vyc6wv
      Espero ter ajudado, mesmo sendo simplista e sucinto em um assunto complexo e multifacetado.

    • 😉 Acredito no (bom sentido do) domínio dos nordestinos desde quando começamos a emigrar para outras regiões!
      E quando morava em Salvador, todo 2 de fevereiro estava no Rio Vermelho comemorando Yemanjá!
      Abraço Luiz.

  11. Bom dia! Bau, estou a quase dois meses longe do Brasil e gostaria muito de saber o que esta por tras de toda essa crise no Egito. Por aqui, nada ou quase nada è publicado nos jornais, na tv nao ha um canal especifico de noticias que eu consigo entender e tudo que eu pesquisei ate agora, so me da noticias da atualidade por la e nao a verdadeira causa do conflito. Bem, se voce puder me ajudar me passando alguns sites de pesquisa que voce usa, tambem ja è um otima fonte de noticias para mim. Muito obrigada desde ja, Beatriz (aluna Sigma ate ano passado 3 ano D)

  12. Parabéns professor Marcos! Hoje quando a Cris disse que esse blog ajudaria nos estudos, não pensei que seria tanto. Imagino o trabalho que deve dar pra mantar o blog atualizado. Você merece o sucesso que este blog está fazendo, é realmente muito bom! Mas uma vez, parabéns! (:

  13. Parabéns Marcos!! O site é repleto de assuntos interessantes, e além do mais nos ajuda a entender o conteúdo ministrado em sala de aula.

    Gabriel Vargas, 1º K SUL (Prof:. Cris).

  14. Olá professor Marcos

    Sou aluna da Cris e fico muito feliz em poder contar com um material tão bom para complementar o conteúdo dado em sala de aula. Queria parabenizá – lo pelo trabalho realizado. Achei uma forma excelente e criativa de ajudar os alunos de geografia. Parabéns !!!

    Sarah Santos – 1º K

  15. oi, professor ! Entrei no blog como o senhor tinha sugerido para nós e eu fiquei impressionada, não sabia que dimensões tinha tomado o seu blog :O fico feliz em ter aula com um professor tão conhecido e respeitado 🙂 Parabéns !

  16. Professor,
    eu não achei o resumo de geopolítica sobre a formação do império americano do livro do Demetrio Magnoli, cap 5, está com outro nome ou realmente não tem?
    obrigada (:

  17. Virei leitor assíduo, muita coisa interessante e atualíssima, o melhor é que eu posso tirar as dúvidas pessoalmente (rsrs); há muitos sites de professores no ar, mas poucos usam essa ferramenta com tanta maestria. Forte abraço e parabéns pelo excelente trabalho…

    Ps.: Espero ansiosamente pelos textos sobre a “primavera árabe”, ouvi um comentarista político usar esse termo para se referir aos levantes no Norte da África, numa comparação com a Primavera dos Povos de 1848…eu, sinceramente, não espero por “democracias” nessa região; seja por razões políticas seja por razões culturais acho mais fácil que grupos islâmicos fundamentalistas mais organizados tenham a chance de ascender ao poder…..e vc? (não tenho pressa pela resposta) valeu!

    • Graaaande Magnão,
      Um comentário desse calão de um professor do seu gabarito, me deixa bastante lisongeado! Obrigado!

      Já ensaiei escrever sobre a “primavera árabe”, mas o escasso tempo não permitiu ainda. Também li autor se referindo à Primavera dos Povos… Corroborando o que você escreveu, não acredito em democracia nos moldes do que estamos acostumados a entender e praticar o que é um Estado democrático por direito, com todas as liberdades que o compõem. No Norte da África, eles ainda vão penar muito para chegar a um processo democrático ao menos perto do que me refiro, pois o povo/as lideranças partidárias ainda não estão organizadas para tal (isso requer – muito – tempo) devido à opressão executada por líderes que estão/estavam a 30/40 anos no poder. E mesmo que o fundamentalismo islâmico tome o poder (caso mais particular do Egito) acho positivo – o mundo ocidental tem que entender que o Islã cerceia algumas liberdades, mas o muçulmano se sente bem assim (os organismos supranacionais tem apenas que fiscalizar o desrespeito aos Direitos Humanos – caso mais particular do Irã).
      Enfim, para mim todas essas mudanças mostram que os Estados do mundo capitalista globalizado não permitem (nem aceitam) mais regimes autocráticos, e sendo assim, clamam por mudanças sejam elas para um regime menos autoritário ou até totalmente democrático. O importante é que haja transição – a sucessão de líderes e poderes é sadia e o povo local tem que ser consultado disso.

      Abraço,

      ps: Magnão é professor de história no Centro Educacional Sigma/DF e um colega que converso bastante sobre assuntos histórico-geopolíticos mundiais.

    • Mari,
      Por ser professor de geografia, não sou a pessoa mais indicada para te dar diretriz de redação para o vestibular. Mas posso te ajudar informando-lhe que para uma redação sobre o assunto, você precisa formar uma opinião mais crítica sobre os levantes sem cair em algumas “armadilhas” da imprensa quando informam que as revoltas são demonstrações de plena democracia ou que as liberdades serão similares às do mundo ocidental… Em resumo, entender os acontecimentos significa formar uma opinião sobre o assunto entendendo que o ‘mundo muçulmano’ é bem diferente do ‘nosso mundo ocidental’ (depois de formada a opinião escreve sobre isso que facilita a construção de ideias).

      Para uma ajuda escrevi sobre o mundo árabe em http://marcosbau.com/geopolitica/breve-historico-do-mundo-arabe-e-os-recentes-levantes-no-oriente-medio/

    • Como pessoa, não tenho nada contra. Como político tem seus prós e contras, e isso significa uma complexidade tão grande que não daria para dissertar aqui.
      Cuidado com os colares nas joalherias, Lindsay. Torço para que você resista. 🙂

  18. Pô Bau!!!
    Estou fazendo uma pesquisa para um artigo da faculdade e irei usar algumas informações disponibilizadas no site como referencial teórico…
    Parabéns Cara!!!
    E quando é que seu Bahia vai ganhar um título?
    Cuidado com queda!!!!!
    Forte abraço…

  19. Ah Professor Bau
    Aguardo seus comentários sobre a nova configuração geopolítica mundial depois da morte de Osama Bin Laden.
    Excelente material de estudos!!!!
    Um abração amigão!!!

  20. Professor,

    Para a geopolítica mundial, que guerra foi mais importante: a primeira, com o nascimento da URSS e ascensão dos EUA como potência mundial incontestável ou a segunda, com o “início” da Guerra Fria e fim dos impérios coloniais?

  21. Oi, professor! Tudo bom? Fui aluna sua no Sigma em 2008, hj to morando em São Paulo e fazendo Biologia. Estava procurando informações a respeito do relatório Rebelo quando, no http://www.codigoflorestal.com, encontrei um comentário seu e fiquei super feliz com a coincidência! haha Enfim, ainda não tenho uma opinião formada sobre o assunto.. entendo a visão dos ruralistas da impossibilidade dos pequenos produtores de pagarem pela reposição das RLs e as APPs e também da contraprodutividade da retirada de lavouras, nesse caso também em grandes propriedades, para regularizar essas áreas de proteção. Com certeza esses são empecilhos que não podem ser negados pelos ambientalistas. Entretanto, como cidadã comum simpatizante da idéia de preservação e como estudante de Biologia, também entendo perfeitamente a necessidade, cada vez mais urgente, de maior rigidez na regularização dessas áreas de proteção ambiental. O que você acha que poderia ou deveria ser feito para solucionar ou ao menos amenizar esse impasse? Gostaria muito de saber sua opinião (:
    Muito obrigada
    Beijo
    Luísa (3 ano K 2008)

    • Olá Luísa,
      É muito bom encontrar ex-alunos e saber os caminhos que seguiram na universidade!
      Quanto ao problema do ‘Código Rebelo’, o governo quer votar uma lei importantíssima (a Lei que ainda vigora é a de 1965 e a MP de 1996) sem a discussão necessária e com isso podemos estar legalizando eternamente o desmatamento em áreas críticas (encostas e margens de rios por exemplo).
      De outro lado tivemos vários governos desde o primeiro código (1934) que nada fizeram para fiscalizar o desmatamento e agora com o Código Florestal 2011, era como se o Estado brasileiro assumisse a mea culpa disso e compensasse os pequenos (anistia total), assim como, de certa forma, os médios e grandes proprietários, pois esses só teriam que replantar o que desmataram em 20 anos.
      O maior problema que vejo é que sempre tivemos um Estado indiferente e inoperante quanto ao meio-ambiente e agora não se tem como cobrar dos produtores o reflorestamento previsto em lei, pois isso inviabiliza a atividade de maior volume do país que é a produção agropecuária.
      Estamos em um grande impasse. Enxergo um caminho, onde a União teria que assumir o replantio e fornecer subsídios (como nos EUA e Europa) e compensações para os agricultores produzirem sustentavelmente e dentro da lei (não acho que anistiar completamente o produtor seja o caminho, nem permitir que ele continue produzindo em áreas de muito risco ambiental – encostas e a 10 metros da mata ciliar).
      Dá uma lida nesse documento escrito por profissionais que entendem do assunto e veja se eles não tem razão: http://www.amazonia.org.br/arquivos/384216.pdf
      Espero ter conseguido em poucas linhas emitir opinião em um assunto tão complexo e polêmico (usei uma aula inteira no assunto biomas discutindo isso).
      Até mais! Qualquer coisa é só postar 😉

  22. Marcos,
    Estive em seu site, e vc está de parabéns, estou cursando o ultimo ano do curso de Geografia da Universidade de Minas Gerais, e fiquei encantada com os temas e o modo como faz a abordagem de assuntos complexos e atuais, de uma maneira simples e de fácil compreensão.
    Isso faz com que mais pessoas possam ver o outro lado da Geografia, que é capaz de observar e compreender os aspectos nacionais e internacionais em todos os seus patamares.

    Att mais, valeu!!

    • Helen,
      Antes de mais nada, seja bem-vinda à ciência geográfica com sua graduação e parabéns, colega!
      Muito obrigado pelas palavras e você – como está no último ano da graduação – já deve ter se apaixonado pela geografia como eu… Desde que me formei esse caso de amor que dura alguns anos tem sempre se renovado!
      Aprendi a enxergar geografia em tudo e tento levar para meus alunos uma abordagem cada vez mais ampla e crítica, para que eles não percam o interesse pelo entendimento de mundo como escreveu com maestria o saudoso mestre Milton Santos, quando explicou o híbrido do espaço pelos sistemas de objetos e ações, fixos e fluxos e etc inclusive em outros autores.
      Até breve, pois espero que volte e navegue a vontade!

  23. Oi amigão! Sou muito limitada nessas coisas de Twiter, etc. Vi seu comentário sobre oMilton Santos. Saudades do “Negão”! Sei da minha ousadia em referir ao maior Geográfo do Brasil assim. Mas, ele era assim mesmo. Dizia que não gostava de falar fácil, mas era humilde e profundamente humano. Tive o privilégio de participar de muitos encontros com Ele. Uma das sua frases mais marcantes, que ainda norteiam meu pensamento Geográfico foi: “A burguesia não quer igualdade, ela quer privilégios”. Eu, você e alguns poucos, trabalhamos contra algumas “alfinetadas” pontuais dele e procuramos fazer um mundo com pessoas melhores, mais comprometidas com a igualdade social. Nosso trabalho de educadores nos induz a isso e sei que, embora árduo, ainda conseguimos muitas coisas com nossos queridos e generosos alunos. Que as lembranças do grande Milton Santos continuem a fortalecer o nosso cotidiano por uma educação que promova o exercício livre e responsável da pleno da cidadania pelos nossos alunos. Assim como Ele, estamos fazendo nossa parte na História da Geografia!
    Um forte, carinhoso e admirável abraço para o Baiano mais Geográfico que conheço. Parabéns pela lembrança oportuna.
    Cris

Deixe uma resposta